Pages

O que esperar de 2019?



Da Carta Capital, 24 de Dezembro, 2018


A cada fim de dezembro, místicos de todos os segmentos se arvoram em dizer quais as tendências, os riscos e as possibilidades para o ano seguinte.

Previsões sempre fizeram parte da história da humanidade, que encontrou nos oráculos um instrumento de orientação e auxílio, especialmente nas horas de decisões importantes.

No candomblé, houve um tempo em que todos aguardavam as palavras de grandes iyalorixás, como Mãe Menininha do Gantois, a respeito do orixá que governaria o ano novo e sobre os cuidados que deveriam ser tomados para que a boa sorte e as bênçãos nunca faltassem.

O costume persiste, mas hoje o consenso quanto aos orixás que regem o período é cada vez mais raro.

Conversei com Pai Carlinhos de Odé, grande estudioso dos odus e oráculos de Ifá e um dos herdeiros de Pai Pérsio de Xangô, que jogou os búzios e falou sobre possíveis caminhos para 2019.

Antes, quero lembrar que o jogo de búzios tem a função de aconselhar os indivíduos, fazendo com que assumam riscos e aspirações para minimizá-los ou potencializá-los, respectivamente.

Quando olhamos para os lados antes de atravessar uma rua, por exemplo, estamos assumindo o risco de um acidente e agindo com prevenção para evita-lo.

Os odus cumprem em certa medida essa finalidade: alertam, previnem, direcionam, preparam, protegem.

Um adepto do candomblé nunca entrega sua vida à sorte, por isso cumpre rituais em vários momentos do dia.

Pai Carlinhos nos revela que Iansã vem na frente regendo o ano de 2019. Iansã nunca, porém, governa sozinha e terá Xangô a seu lado.

Será um ano intenso, principalmente no amor.

Um ano no qual os indivíduos serão capazes de tudo em nome do amor, inclusive de serem levados a erros pelo excesso, pela paixão.

Xangô foi o grande amor de Iansã, que ao saber da “morte” do marido usou um ofó, um encantamento, que a levou pra junto dele. Em nome dessa paixão, Iansã foi capaz de abrir mão da própria vida.

Há aqueles que somem, morrem e até se matam por amor, portanto 2019 pode ser um ano de tragédias passionais.

“Muito cuidado com doenças sexualmente transmissíveis, cuja incidência pode aumentar drasticamente”, alerta Pai Carlinhos.

Senhora dos ventos e das tempestades, Iansã intensifica esses perigos para o próximo ano, trazendo muitos danos relacionados a chuvas tropicais, como desastres com raios, deslizamentos e inundações.

“Será bom redobrar a atenção com áreas de risco e com crianças, que estarão mais propensas a acidentes.”

Um ano de vitórias e conquistas individuais, no qual cada um deve crescer e prosperar de acordo com seu empenho, valendo a pena investir em projetos pessoais. Aqueles que colocarem suas carreiras, tanto profissionais quanto acadêmicas, em primeiro plano não vão se arrepender.

Será também um momento de retorno às raízes ancestrais, sobretudo para afrodescendentes e indígenas. A valorização da cultura negra virá exatamente da necessidade de resistência, lembrando que Iansã e Xangô são orixásguerreiros.

Valorizar a luta dos antepassados e seu legado deve atrair a juventude para grupos culturais diversos, fortalecendo alguns movimentos e suas lideranças, inclusive os movimentos feministas.

Como avalia Pai Carlinhos, um pouco de cuidado com a saúde será fundamental.

“Todos devem fazer exames preventivos e rotineiros para evitar doenças que possam avançar rapidamente”, recomenda. Lembrando que os quadros de sífilis já são alarmantes, a propensão de aumento de DSTs deve ser uma preocupação das autoridades competentes.

O ano também trará a revolta de Xangô, orixá da justiça, que num momento de ira ateou fogo em seu próprio reino. Portanto, aqueles que não agiram com honestidade serão cobrados.

“Quem deve paga, quem merece recebe.” Os que seguem pelo caminho da justiça e da verdade serão recompensados, mas os injustos, principalmente os que caluniarem e difamarem, vão sofrer as consequências.

“É preciso se arrepender e se redimir enquanto há tempo. Xangô será implacável.”

A posse do novo governo tem gerado uma série de especulações, mas, no geral, 2019 será mera continuação de 2018. A saúde do presidente ainda vai gerar muita polêmica e alguns escândalos virão à tona e levarão diversos políticos à derrocada.

Xangô seguirá implacável, mas Iansã, com a rapidez de um raio, trará algumas mudanças profundas no cenário político nacional. O clima de polarização ainda vai permear os debates e muitas pendengas do Executivo e do Legislativo só devem se resolver no Judiciário.

Pedindo a todos os orixás que protejam o povo brasileiro, desejo aos leitores de CartaCapital um ano novo repleto de boas surpresas.

Que não nos falte forças para lutar contra injustiças e arbitrariedades. Que a democracia se fortaleça na resistência de nossa brava gente e que tenhamos fé, acima de tudo e apesar de tudo.

Muito obrigado por ter chegado até aqui...

... Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 24 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário