Pages

Na Europa e EUA, um fascismo tradicional nacionalista. No Brasil, um fascismo servil

Imagem: Renato Alarcão/LeMondeDiplomatique

Do Jornal GGN, 20 de Dezembro, 2018
Por Rogério de Campos, Le Monde Diplomatique Brasil


Jornal GGN - Rogério de Campos assina na última edição de Le Monde Diplomatique Brasil um artigo sobre o fascismo brasileiro, que destoa do que é visto na Europa e Estados Unidos, hoje em dia, por uma característica peculiar: o entreguismo. É principalmente por causa desse elemento que, segundo Campos, alguns autores ainda resistem em colar Jair Bolsonaro à imagem de um governo, no mínimo, potencialmente fascista em sua feição mais tradicional.

Enquanto lá fora o fascismo tem entre suas principais características o nacionalismo latente e ódio aos imigrantes [uma mentalidade desenvolvida pela história do colonialismo, na visão de Campos], aqui no País que elegeu Bolsonaro a intolerância contra quem atravessou fronteiras em busca de abrigo não tem tido muitas oportunidades para se manifestar porque o fluxo é inferior, em comparação ao que ocorre nos Estados Unidos e Europa. E mais: aqui o brasileiro apto a ser chamado de fascista não tem no estrangeiro seu inimigo principal, mas em outros brasileiros que pensam diferente dele.

O novo fascismo brasileiro, segundo Campos, é racista mas não se sustenta na xenofobia na maioria dos casos. "Ainda que o slogan 'o melhor do Brasil é o brasileiro' seja criação de um ex-integralista, Câmara Cascudo, tal frase não faz qualquer sentido para a nova extrema-direita brasileira, para a qual o problema é justamente o brasileiro, ele é a sub-raça perniciosa. Quanto do ódio ao Lula não é por ele ter 'cara de povo'?", indagou.

"Talvez essa extrema-direita do Brasil seja uma forma nova de regressão, uma inovação brasileira: um fascismo servil, especialmente criado para países obrigados a se submeter aos fascismos dos países que mandam."


Leia o artigo abaixo.

Por Rogério de Campos

Uma inovação brasileira: o fascismo servil

No Le Monde Diplomatique Brasil

Em 2002, os primeiros ministros Tony Blair e José María Aznar levaram à cúpula da União Europeia a proposta de punir com sanções econômicas os países de origem de imigrantes indesejáveis. A proposta causou escândalo porque explicitava o desejo de que governos dos países da África, por exemplo, transformassem-se em “carcereiros dos seus cidadãos”[1]. O novo modelo de Estado para o Terceiro Mundo, na proposta de Blair e Aznar, seria um que, além de cumprir a tradicional tarefa de garantir o fornecimento de matéria prima para o Primeiro Mundo a baixo custo, passaria a vigiar para que seus habitantes não tentassem escapar da miséria provocada por esse baixo custo. Nações pobres se tornariam grandes campos de trabalho forçado, com seus cidadãos impedidos de fugir.

Ainda que a proposta de Blair e Aznar tenha sido publicamente rejeitada pela maioria dos outros membros da UE (burro que sou, gosto especialmente da justificativa de um representante da Suécia: “nós queremos um equilíbrio entre a vara e a cenoura. É contra-produtivo enfatizar tanto a vara”[2]), na prática ela foi aprovada e vem sendo aplicada de maneira um pouco menos explícita, numa forma intermediária. Usando variadas cenouras e algumas varas, a União Europeia tem terceirizado para países em sua fronteira a tarefa de impedir a chegada de imigrantes. É isso que está por trás dos “campos de refugiados” em países como Turquia e Jordânia e massacres de imigrantes em países como Marrocos e Líbia. Pode-se dizer que a Europa aprendeu algo com as tragédias dos anos 1930 e 40: que não se deve fazer campos de concentração dentro de seu continente, mas fora…

Em seu famoso “Discurso sobre o Colonialismo” (1950), o poeta martiniquense Aimé Césaire demonstra que o nazismo é uma consequência do colonialismo. Descivilizado e embrutecido pelas barbaridades que comete na África, nas Américas e na Ásia, o europeu levou essa brutalidade junto com seu butim quando retornou à terra natal:

“Haveria que estudar, em primeiro lugar, como a colonização trabalha para descivilizar o colonizador, para embrutece-lo no sentido literal da palavra, para degradá-lo, para despertar seus recônditos instintos em prol da cobiça, da violência, do ódio racial, do relativismo moral; haveria mostrar depois que cada vez que no Vietnam se corta uma cabeça e se arrebenta um olho, e na França se aceita; que cada vez que se viola uma menina, e na França se aceita; que cada vez que se tortura um malgaxe, e na França se aceita, haveria que se mostrar, que quando tudo isso acontece, se está verificando uma experiência da civilização que pesa por seu peso morto, se está produzindo uma regressão universal, se está instalando uma gangrena, se está estendendo um foco infeccioso, e que depois de todos esses tratados violados, e todas essas mentiras propagadas, de todas essas expedições punitivas toleradas, de todos estes prisioneiros manietados e ‘interrogados’, de todos esses patriotas torturados, depois deste ódio racial estimulado, dessa jactância desfraldada, o que encontramos é o veneno instilado nas veias da Europa e o progresso lento, porém seguro do enselvajamento do continente ”[3].

Assim, e essa é conclusão minha a partir de Césaire, o ressurgimento do fascismo na Europa não é consequência de uma natural hostilidade à imigração, mas um dos resultados da exploração dos países da periferia do capitalismo por governos “civilizados” e modernas empresas europeias, muitas delas cheias de “sustentabilidade”, “multiculturalismo” e progressismos. O fato dessa exploração ser feita tantas vezes remotamente, por drones e algoritmos, sem sujar as mãos, não impede o envenenamento.

A conclusão de Césaire é que “a Europa é indefensável”. Mas creio que hoje ele diria o mesmo dos Estados Unidos: é indefensável o que acontece na fronteira com o México. Como suportar aquelas imagens de crianças, filhas de imigrantes, separadas à força de seus pais e aprisionadas naqueles campos de concentração? Não parece haver inspiração de Blair e Aznar na exigência que Trump faz de que o próprio México pague o muro que divide as fronteiras? O Criminal Alien Deportation Enforcement Act, projeto de lei do deputado republicano Brian Babin, prevê não apenas sanções econômicas, mas também a suspensão de vistos para residentes de países cujos governos não demonstrem competência em impedir a emigração “ilegal” de seus cidadãos.

Uma prova de que não é o imigrante que faz surgir o nazista é a existência do novo fascismo brasileiro, que apesar de racista não se sustenta na xenofobia. Ok, todos sabemos do descaso e violência com que, desde sempre, são tratados imigrantes pobres no Brasil. Vimos aquelas imagens das agressões contra médicos cubanos e também aquelas, ainda mais horríveis, contra venezuelanos em Roraima. Mas a verdade é que, talvez pelo fato de a imigração aqui não ter a dimensão que tem na Europa, os fascistas brasileiros não têm tido muitas oportunidades de exibir publicamente o lado xenofóbico de sua estupidez. É por isso também que alguns pesquisadores resistem a caracterizar essa nova extrema-direita brasileira como fascista. Que fascismo é esse que não é nacionalista? Que apesar das camisetas verde e amarelas, não demonstram raiva do estrangeiro, mas, sim, desprezo pelo próprio brasileiro. Ainda que o slogan “o melhor do Brasil é o brasileiro” seja criação de um ex-integralista, Câmara Cascudo, tal frase não faz qualquer sentido para a nova extrema-direita brasileira, para a qual o problema é justamente o brasileiro, ele é a sub-raça perniciosa. Quanto do ódio ao Lula não é por ele ter “cara de povo”?

Contra esse argumento de que o bolsonarismo não é fascista porque não é nacionalista, pode-se dizer que os diversos fascismos do início do século XX tiveram de tudo, inclusive “entreguistas”. Na Europa, roedores foram correndo abrir a porteira de seus países para a invasão nazista e depois se destacaram como os mais miseráveis colaboracionistas.

No Brasil dos anos 1920, os condes Matarazzo e Crespi talvez até financiassem uma hipotética invasão do país por Mussolini. Mas Matarazzo e Crespi, e muitos outros imigrantes italianos bem menos afortunados que eles, ficariam até ofendidos se chamados de brasileiros. Sua pátria era a Itália. Portanto, eram nacionalistas, mais fervorosos talvez justamente porque longe de seu país. E isso nada tem de incomum.

Agora veja o caso do agrupamento heterogêneo que atropelou os tucanos nas passeatas pelo Golpe e que forma a base do bolsonarismo: fanáticos do neoliberalismo junto com fanáticos religiosos, os mais cínicos oportunistas ao lado de criacionistas, impacientes partidários da modernização tecnológica alinhados com terraplanistas… a lista se prolonga em um patético pandemônio de contradições no qual uma rara constante é o entusiasmado nacionalismo, que só confunde o olhar externo porque, no caso, a “pátria amada” são os Estados Unidos da América.

As cenas de Bolsonaro batendo continência para a bandeira americana (ou qualquer americano que veja pela frente) ou de seu filho com o boné do Trump, causam constrangimento até para autoridades dos Estados Unidos, mas estão longe de perturbar seus fiéis admiradores brasileiros. A avenida Paulista foi talvez o único lugar fora dos Estados Unidos em que houve uma manifestação a favor de Trump durante a campanha dele para presidente. Foi uma manifestação bem pequena, é verdade, mas ruidosa: teve até palavra de ordem contra Hillary Clinton, chamada de “comunista”.

Do ponto de vista do governo norte-americano, a equipe de Bolsonaro é um verdadeiro dream team: na economia, que é o que importa, tem o Chicago Boy Paulo Guedes, e, como estepe do próprio capitão, no caso de ser necessário engrossar, está o general Hamilton Mourão, que só não tem diploma da Escuela de Las Americas porque chegou atrasado, mas que representa talvez a ala mais americanizada das Forças Armadas brasileiras (“Aliste-se no Exército Brasileiro, venha você também defender os interesses dos Estados Unidos”, diz o meme). Quem encabeçou a direção política da vitoriosa campanha eleitoral foi o novato Gustavo Bebianno, cuja grande experiência como empreendedor foi a criação de uma academia de jiu-jitsu na Florida. Ainda assim, apesar da competência de Bebianno, a campanha foi vitoriosa graças, é claro, a benção que Deus enviou por meio dos pastores do pentecostalismo, a mais norte-americana das religiões cristãs.

Poderíamos dizer que tal agrupamento é apenas um pitoresco bando de bucaneiros oportunistas, mas é preciso admitir que eles têm base social. Não falo aqui dos milhões que votaram no “Mito”, mas, especificamente, daqueles militantes que, muitas vezes sem serem remunerados, o defendem com entusiasmo e violência. Ativistas que brotam dos shopping centers e das igrejas, dos times de basquete e dos seminários para empreendedores, mas também dos fandoms da Marvel, do hard rock, de Star Trek e do Vin Diesel. Eles saudariam o desembarque dos marines, porque estes, além de nos proteger de uma invasão cubana ou venezuelana, talvez também expulsassem coisas estranhas à cultura brasileira, como as religiões africanas e o elitismo intelectual europeu. Nos livrariam finalmente do que o Mourão classificou como “indolência” indígena e a “malandragem oriunda do africano”. E, principalmente, esses nacionalistas norte-americanos nascidos no Brasil sonham que a chegada dos marines finalmente os liberaria da exigência do visto para entrada na Florida. Sonham um dia tornarem-se americanos brancos, e que o Brasil ainda vai cumprir seu ideal, ainda vai tornar-se um imenso Porto Rico.

Por isso talvez tenham alguma razão aqueles que dizem ser um erro classificar essa gente simplesmente como fascista só porque ela parece, age, fala e rosna como os velhos fascistas. Talvez essa extrema-direita do Brasil seja uma forma nova de regressão, uma inovação brasileira: um fascismo servil, especialmente criado para países obrigados a se submeter aos fascismos dos países que mandam. Uma jabuticaba do avesso: dura dentro e mole pra fora. Um fascismo que ultrapassa os anos 1930 e avança pelo século XIX e vai mais para trás. Que usa instrumentos do século XXI e estratégias do início do século XX para defender uma situação do século XVIII.

Os fascistas italianos sonhavam reviver a Roma Imperial, os fascistas brasileiros sonham com a volta do Brasil Colonial.



*Rogério de Campos é editor, tradutor e autor dos livros Revanchismo, Dicionário do Vinho (Prêmio Jabuti) e Imageria (Prêmio HQ Mix). Seu livro mais recente, Super-Homem e o Romantismo de Aço (Ugra Press, 2018) fala da relação do gênero super-heróis com o fascismo





[1] https://diplomatique.org.br/como-a-europa-segrega-seus-vizinhos/

[2] https://www.theguardian.com/world/2002/jun/18/eu.immigration

[3] Na tradução de Anísio Garcez Homem (Discurso sobre o Colonialismo, 2010, Letras Contemporâneas).

Nenhum comentário:

Postar um comentário