Pages

MILICIANOS MATARAM MARIELLE POR CAUSA DE TERRAS, DIZ GENERAL



Do 247, 14 de Dezembro, 2018


O general Richard Nunes, secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, afirma que milicianos mataram Marielle Franco; segundo o general, a vereadora do Psol foi executada porque estaria "atrapalhando" os negócios ligados à grilagem de terras na zona oeste do Rio; o crime estaria sendo planejado desde 2017 e - o general fez questão de frisar - "muito antes de o governo federal decretar intervenção militar no Rio"

247 - O general Richard Nunes, secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, afirma que milicianos mataram Marielle Franco. Segundo o general, a vereadora do Psol foi executada porque estaria "atrapalhando" os negócios ligados à grilagem de terras na zona oeste do Rio. O crime estaria sendo planejado desde 2017 e - o general fez questão de frisar - "muito antes de o governo federal decretar intervenção militar no Rio".
A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo entrevistou o secretário da Segurança Pública do Rio. Veja os principais trechos:

" (...) Sou do Rio e acompanhei a evolução do quadro da Segurança no Estado. Segundo, porque comandei a força de pacificação na Maré (ocupação militar de complexo de favelas, zona norte do Rio, de abril 2014 a junho de 2015), vendo de perto no nível tático, na ponta da linha, o que estava acontecendo no Estado e, depois, como comandante da Eceme (Escola de Comando e Estado-Maior do Exército) era um tema de estudo nosso. Não me surpreendeu, mas o fato de não me surpreender não significa que eu não tenha me deparado com ações que eu não imagina."

(...)

"O regime de recuperação fiscal estabelecido em setembro de 2017 nos causou embaraço de todas ordem. Tanto que a verba federal alocada aqui teve de ser administrada por uma estrutura que não existia, que nós tivemos que criar. Ai foi uma luta contra o tempo. Em uma intervenção de curta duração, tivemos de montar esse processo ao mesmo tempo em que montávamos a estrutura para fazer as licitações. No âmbito da secretaria, colocamos em funcionamento o Fised, o Fundo Estadual de Segurança Pública e e Desenvolvimento Social. Ele é uma dádiva. São 5% dos royalties do petróleo. Neste ano, já superamos R$ 300 milhões e no próximo nossa expectativa é superar R$ 400 milhões.

O secretário ainda falou sobre as condições gerais da segurança do Rio: "o índice de indisponibilidade era de 50%. Metade da frota sem condições de rodar e as últimas aquisições datando dos grandes eventos, coisa de cinco anos. A crise econômica que se abateu sobre o Rio provocou dois efeitos graves: o atraso de pagamento de salário e o Estado deixar de honrar contratos, como o de manutenção. Os carros iam enguiçado e sendo encostados. Tinha batalhão com menos de dez viaturas para rodar. O policiamento virou a pé com consequências gravíssimas para os indicadores de criminalidade. Não tínhamos ostensividade. Mesmo que tivesse policial não tinha viatura para transportá-lo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário