Pages

HADDAD LEMBRA DE NADIA, PARTICIPANTE DO CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS QUE GANHOU PRÊMIO POR DESSALINIZAÇÃO


Do 247, 26 de Dezembro, 2018

Com grande alarde, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou nesta terça-feira (25) parceria com Israel para dessalinizar a água do mar na região Nordeste do país; na manhã desta quarta-feira (26), Fernando Haddad (PT-SP) lembrou de Nadia Ayad, "brasileira negra, participante do Ciência sem Fronteiras", que ganhou prêmio internacional ao criar sistema de dessalinização de água com grafeno

247 - Com grande alarde, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou nesta terça-feira (25) parceria com Israel para dessalinizar a água do mar na região Nordeste do país. Na manhã desta quarta-feira (26), Fernando Haddad (PT-SP) lembrou de Nadia Ayad, "brasileira negra, participante do Ciência sem Fronteiras", que ganhou prêmio internacional ao criar sistema de dessalinização de água com grafeno.

Derivado do carbono, o grafeno é tido como uma matéria-prima revolucionária e, por esse motivo, "foi escolhido como tema do Global Graphene Challenge Competition 2016, competição internacional promovida pela empresa sueca Sandvik, que busca soluções sustentáveis e inovadoras ao redor do mundo", conta reportagem da Conexão Planeta, que fala sobre a invenção da brasileira formada em engenharia de materiais pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), do Rio de Janeiro. "Nadia criou um sistema de dessalinização e filtragem de água, usando o grafeno. Com o dispositivo, seria possível garantir o acesso à água potável para milhões de pessoas, além de reduzir os gastos com energia e a pressão sobre as fontes hídricas".

O projeto da brasileira, que concorreu com outros nove trabalhos finalistas, foi o grande vencedor do desafio. Como prêmio, Nadia ganhou uma viagem para a Suécia, onde visitaria e sede da Sandvik e outros centros de pesquisa. Mas esta não seria a primeira experiência internacional de Nadia. "A engenheira brasileira já tinha participado do programa do governo federal Ciências Sem Fronteiras, quando estudou durante um ano na Universidade de Manchester, na Inglaterra. Agora ela pretende fazer um PhD nos Estados Unidos ou Reino Unido, pois acredita que, infelizmente, terá mais oportunidades para realizar pesquisas no exterior do que no Brasil", contou a reportagem no pós-Golpe de janeiro de 2017.


Brasileira negra, participante do Ciência sem Fronteiras, ganhou prêmio internacional ao criar sistema de dessalinização de água com grafeno. https://t.co/B8tdRZNQiw via @conexaoplaneta— Fernando Haddad (@Haddad_Fernando) December 26, 2018


Nenhum comentário:

Postar um comentário