Pages

Bolívia lidera crescimento econômico na América Latina

Do IELA, 28 de Dezembro de 2018


A economia boliviana cresceu 4,4 por cento em 2018 e estima-se que mantenha a mesma taxa de crescimento no próximo ano, de acordo com as Nações Unidas.


Em sua pesquisa anual, a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (CEPAL) diz que a Bolívia está passando por 12 anos consecutivos de estabilidade econômica E que continua em expansão - a economia do país cresceu 4,4% em 2018, um recorde para o país andino, que está à frente do Paraguai, o segundo em crescimento, com 4,2 %.

Ainda segundo a ONU a economia da Bolívia está bem à frente da média da América Latina e do Caribe, que é de 1,2%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), conhecido na região por implementar medidas de austeridade neoliberais, como é o caso atual na Argentina, diz que o crescimento da Bolívia é "uma das taxas mais altas da região" e projeta que crescerá para 4,5 pontos no próximo ano, principalmente através de um aumento nos preços e produção de petróleo e hidrocarbonetos.

O relatório mostra que o produto interno bruto (PIB) nacional aumentou 2,9% em 2018 e a inflação caiu para 1,3%, enquanto o desemprego neste ano ficou em torno de 4,1%.

No ano passado, o presidente Evo Morales aumentou o salário mínimo em 3%. Ele disse a repórteres em Cochabamba no início desta semana que o PIB deste ano aumentou cerca de US $ 200 por pessoa - de US $ 3.390 para US $ 3.581 U $ D.

Segundo a CEPAL, a região enfrentará um cenário econômico global complexo e volátil nos próximos anos, tanto nas economias desenvolvidas quanto nas emergentes, devido ao enfraquecimento do comércio internacional agravado pelas guerras comerciais dos Estados Unidos e da China.

"Políticas públicas são necessárias para fortalecer o crescimento", afirmou Alicia Barcena, da CEPAL. "É essencial reduzir a evasão e a evasão fiscal e os fluxos financeiros ilícitos. Em conjunto, precisamos fortalecer os impostos diretos", disse Barcena em Santiago, Chile, enquanto a CEPAL apresentou o relatório deste ano na semana passada:

"Para estabilizar e impulsionar o crescimento é necessário reorientar o investimento público em desenvolvimento sustentável, como novas tecnologias e investimentos verdes ”, disse o economista.

O funcionário sênior da ONU acrescentou que "os gastos sociais devem ser protegidos, especialmente em períodos de desaceleração econômica, para que isso não seja afetado por ajustes". A Argentina, que cortou programas de educação, ciência e habitação em até 48% para 2019 não vai crescer mais do 1,8% e o México crescerá 3,3% no mesmo período.

Fonte: Rádio Habana

Nenhum comentário:

Postar um comentário