Pages

Mudanças Climáticas: Ciclones extratropicais, com o potencial de causar estragos sociais e econômicos, podem triplicar até o final do século

Aumento significativo da precipitação extrema é projetado para a Europa e a América do Norte a partir de ciclones extratropicais.
Do IHU, 29/11/2018

A reportagem foi publicada por University of Exeter e reproduzida por EcoDebate, 28-11-2018. A tradução é de Henrique Cortez.


Uma pesquisa pioneira, liderada pelo Dr. Matt Hawcroft, da Universidade de Exeter, mostrou informações novas e detalhadas sobre as projeções da freqüência de ciclones extratropicais.

A pesquisa mostra que, a menos que haja uma redução significativa nas emissões de gases de efeito estufa, haverá um grande aumento em sua frequência em grandes áreas do hemisfério norte.

Crucialmente, o impacto nas comunidades locais pode ser severo, com tempestadesmais intensas e extremas, levando a maiores eventos de enchentes em grande escala – similares aos experimentados em Somerset em 2013/14, Cumbria em 2015 e Gloucestershire em 2007.

A pesquisa ‘Significantly increased extreme precipitation expected in Europe and North America from extratropical cyclones‘ foi publicada na revista Environmental Research Letters na terça-feira, 27 de novembro de 2018.

Hawcroft, pesquisador do Departamento de Matemática da Exeter, disse: “Espera-se que os extremos de precipitação aumentem em intensidade e freqüência em um clima mais quente. Neste trabalho, atribuímos essas mudanças aos eventos que trazem muito de nossas chuvas e inundações em larga escala. Essa informação adicional, sobre a natureza dinâmica das mudanças, é importante, pois fornece informações claras sobre a natureza e o impacto das mudanças na precipitação que podem ser usadas, por exemplo, na formulação de políticas e no planejamento da adaptação. ”

Os ciclones extratropicais desempenham um papel fundamental na variabilidade climática do dia-a-dia em grandes partes da América do Norte e da Europa. Eles são caracterizados por áreas de baixa pressão atmosférica no centro da tempestade, com o ar puxado ciclicamente (anti-horário) em torno da baixa pressão.

Isso leva ao ar quente sendo extraído do sul e ao ar frio do norte. Na interface do ar frio e quente, formam-se frentes que podem induzir chuvas fortes. As tempestades mais extremas são responsáveis por inundações em grande escala na América do Norte e na Europa.

Uma informação fundamental para os formuladores de políticas e governos que buscam mitigar essas condições climáticas extremas é a capacidade de projetar onde e com que freqüência essas tempestades podem ocorrer no futuro. No entanto, as atuais projeções do modelo climático são afetadas por enormes incertezas.

Neste novo estudo, os pesquisadores analisaram o comportamento das tempestadesatuais e futuras usando técnicas modernas de modelagem e rastreamento de tempestades. Ao abordar a análise em uma estrutura “centrada na tempestade”, a equipe foi capaz de avaliar as mudanças na frequência e intensidade desses ciclones extratropicais com mais consistência do que os estudos anteriores sugeriram.

É importante ressaltar que a equipe de pesquisa foi capaz de mostrar que os modelos projetam que haveria um aumento de três vezes no número dos ciclones extratropicais que mais intensamente precipitam na Europa e na América do Norte até o final do século.

Hawcroft acrescentou: “Devido à complexidade da resposta de circulação ao aquecimento, há muita incerteza nos padrões regionais de mudança climática. Dada essa incerteza, é importante ser capaz de destilar informações claras onde elas estão disponíveis. Aqui mostramos que, apesar dessas complexidades, ainda somos capazes de fornecer projeções grandes e consistentes de mudança nesses eventos de grande impacto ”.

Referência:

Significantly increased extreme precipitation expected in Europe and North America from extratropical cyclones
Matt Hawcroft, Ella Walsh, Kevin Hodges and Giuseppe Zappa
Published 27 November 2018 • © 2018 The Author(s). Published by IOP Publishing Ltd
Environmental Research Letters, Volume 13, Number 12 DOI
Leia mais
Mudanças climáticas podem tornar a precipitação global mais desigual
Tendências negligenciadas na precipitação anual revelam riscos subestimados em todo o mundo
Mudanças climáticas terão forte efeito sobre chuvas no Brasil e na América Latina, diz FAO
A água no Brasil e o mito da abundância
Temperaturas crescentes e atividade humana estão aumentando as tempestades e as inundações repentinas
Climatologista da UFRJ relaciona ondas de calor com aumento dos óbitos no Rio de Janeiro
As perdas econômicas causadas pela seca na China podem dobrar, com o aquecimento global
As mudanças climáticas estão alterando o padrão de chuvas no Brasil, particularmente no Sudeste
Desmatamento e mudança climática reduzem chuva e provocam crise
Redução da chuva sobre a mata acentua de maneira permanente perda florestal na Amazônia
Mistério resolvido: estudo descobre por que chove tanto na Amazônia
Secas e desmatamento podem levar à savanização da Amazônia
Especialista explica a conexão entre a estiagem e as inundações no Brasil
Mudanças climáticas podem aumentar em 50% ocorrência de raios até o fim do século
NASA: mudanças climáticas aumentarão chuvas intensas e secas
Passado da Amazônia mostra resiliência a pouca chuva

Nenhum comentário:

Postar um comentário