Pages

Os olhos do mundo


As repetições na história nunca produzem os mesmos efeitos




Da Folha de São Paulo, 26 de outubro, 2018
Por Vladimir Safatle

Marcelo Cipis

Nunca uma eleição brasileira foi acompanhada com tanto interesse e apreensão pelo resto do mundo. Nenhum órgão da imprensa relevante mundial deixou de destacar as tensões e tendências internas à eleição do próximo domingo.

As críticas duras a Bolsonaro foram unânimes. Porque, no fundo, todos eles percebem que, no Brasil, estamos a assistir um dos últimos capítulos da democracia liberal.
O que acontece no país não é algo isolado do mundo e não deixará de ter consequências fora de nossas fronteiras, a começar por outros países latino-americanos.

O que, afinal, o mundo vê a acontecer no Brasil? Primeiro, ele vê uma eleição que indicará o abandono do país a derivas autoritárias com traços claramente fascistas.

Haja vista o que ocorreu na dita campanha eleitoral. Uma eleição na qual não ocorreu debate algum no segundo turno, o que representa o desinteresse absoluto de Bolsonaro em se confrontar com a praticamente metade da população que não o apoia.

Uma eleição marcada pelo silêncio e pela mentira, já que o eixo central de sua mobilização se deu pela produção vertiginosa de fake news circulando em redes profissionalmente orquestradas.

Alguém aprendeu com a frase atribuída a Goebbels: "Uma mentira repetida mil vezes se transforma em verdade".

Por fim, uma eleição com denúncias claras de uso ilegal de recursos privados (o escândalo das empresas que financiavam as redes de WhatsApp de Bolsonaro) sem consequência alguma para a candidatura.

O que não é de se estranhar já que temos um Poder Judiciário completamente adaptado aos tempos que virão. De todas as passagens infames desta eleição, uma das maiores foi a decisão judicial de retirar a propaganda que expunha relatos e práticas de tortura na ditadura militar.

Um candidato que afirma defender a tortura e torturadores deve se confrontar com as consequências de suas palavras. Cenas de tortura feitas pelo Estado brasileiro deveriam ser repetidas em todos os horários para que todos sintam o que significa esse que é o pior de todos os atos do poder.

De toda forma, nos últimos dias não houve recuo algum no discurso violento e brutalizado do candidato à frente nas pesquisas. Ao contrário, ameaça de fechamento do STF por parte de seu filho, afirmações sobre transformar movimentos sociais em organizações terroristas e declarações que lembram os piores tratamentos que a ditadura militar dava a seu opositores acenderam o sinal vermelho sobre quem Bolsonaro realmente é. Ou seja, ele é aquilo que ele sempre foi.

Mas há algo a mais que os olhos do mundo descobrirão rapidamente. A saber: as repetições na história nunca produzem os mesmos efeitos.

Pode parecer que estamos a entrar na mesma história e na mesma sequência, como em vários momentos se teve impressão semelhante. Mas por meio da repetição é que uma diferença se produz. O que virá não será a mesma história que vimos há 50 anos.

Há um desejo mais forte do que os medos sempre mobilizados por discursos autoritários e protofascistas de ordem e de culto à mão forte de um poder soberano sem limites.

Esse desejo é uma barreira que nunca se quebra, que apenas procura o melhor momento para produzir tudo o que pode produzir. Ele é o desejo de liberdade e de criação. Ele nos impedirá de vermos a repetição dos momentos mais sombrios de nossa história.

As mobilizações espontâneas que tomam o país —e que vêm de todos os lados contra esse fechamento da vida que um governo autoritário representa— são apenas o prenúncio que uma resistência que não irá se quebrar.

Bolsonaro e seu cortejo sabem disso, por isso lutam com todas as suas forças para liberar suas milícias contra os que não querem viver uma vida sufocada pelo preconceito, pelo obscurantismo e pelo culto da violência de Estado.

Como sempre, essa operação de sufocamento perderá.

Vladimir Safatle

Professor de filosofia da USP, autor de “O Circuito dos Afetos: Corpos Políticos, Desamparo e o Fim do Indivíduo”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário