Pages

MARINGONI: TENTARAM NOS INTIMIDAR, MAS NÃO ESTAMOS MAIS SOZINHOS

Do 247, 28 de Outubro, 2018
Por Gilberto Maringoni, em seu Facebook 



A conjuntura se acelerou. Mudou. Só estamos virando porque entramos na ofensiva.

"Sofremos como cão sem mãe nos últimos meses. Hesitamos. Parecia que não ia dar e pensamos em jogar a toalha. Mas ultrapassamos a intimidação e a defensiva. Estamos vivendo dias e noites épicos, heroicos", escreve o jornalista e professor Gilberto Maringoni

Nos últimos dias, largamos o medo, a angustia e a depressão coletiva. Em seus lugares vieram o ânimo, a força e uma raiva benigna de não nos deixarmos entregar. O sangue subiu aos olhos.
A cada dia se sucedem enfrentamentos dos quais não recuamos. Voltamos a usar nossas camisetas de campanha, a nos manifestar publicamente e a pedir votos abertamente.

Tentaram nos intimidar nas ruas, nos empregos e nas universidades.

Medíocres juízes querendo aparecer e meganhas buscando autoafirmação apareceram à nossa frente. Caíram no ridículo, deixando suas boçalidades expostas à vista de todos.

Não estamos mais sozinhos. Agora somos multidão, multidões. Coloridas, alegres, enérgicas, confiantes!

Cantamos, gritamos, suamos, pulamos e dançamos na cara deles.

O fascismo é o contrário. É cinza, exala ódio por todos os poros, ameaça, chantageia e mente.

Sensibiliza os pobres de espírito, os medíocres, os apavorados, os paneleiros órfãos e os desenturmados.

O fascismo não propõe redenção coletiva, mas um violento darwinismo social, profundamente individual e excludente.

Cativa muita gente. Atrai os idiotas cujo brado mais criativo é "minha bandeira jamais será vermelha".

Precisam disso para seguir pesadamente ressentidos em suas imbecilidades seguras e em seu medo de classe.

Nós temos gás e adquirimos confiança em nossos tacos! A 24 horas do dia das urnas, revelamos fôlego de fundistas.

Estamos com pique para o final da prova, para a arrancada dos últimos 100 metros.

Sofremos como cão sem mãe nos últimos meses. Hesitamos. Parecia que não ia dar e pensamos em jogar a toalha.

Mas ultrapassamos a intimidação e a defensiva.

Estamos vivendo dias e noites épicos, heroicos.

Inegavelmente inesquecíveis!

Nenhum comentário:

Postar um comentário