Pages

Grito dos Excluídos dá voz ao povo no Dia da Independência

Neste ano, o protesto quer denunciar o crescimento da violência e sua relação com a desigualdade e privilégios de camadas da sociedade
por Redação RBA publicado 06/09/2018 11h36, última modificação 06/09/2018 11h47
MÍDIA NINJA
Da Rede Brasil Atual, 06 de setembro, 2018

Movimento lembra que a escalada de retrocessos e o aumento da desigualdade são frutos do golpe de 2016.


São Paulo – Movimentos populares e pastorais farão, no feriado de 7 de Setembro, mais uma mobilização pelo Grito dos Excluídos, com marchas e atos públicos em algumas das principais cidades do país. Neste ano, o tema do protesto será o crescimento da violência e sua relação com a desigualdade e privilégios de algumas camadas da sociedade, com o lema "Desigualdade gera Violência: Basta de Privilégio". Nas ruas desde 1995, o Grito dos Excluídos tem como objetivo promover a data para um debate sobre a construção de uma nação mais democrática e menos desigual.

Em nota, o movimento lembra que a escalada de retrocessos e o aumento da desigualdade são frutos do golpe que derrubou a ex-presidenta Dilma Rousseff. "Os efeitos da gestão Temer são devastadores para a população de todo o país, com destaque para os moradores de São Paulo, que tem uma das maiores concentrações populacionais da federação", diz o texto.

Por ser um ato nacional e orgânico, não há uma agenda definida, mas as atividades acontecem em todos os estados do país, de acordo com o contexto e as demandas dos envolvidos locais. "Ele (o protesto) nasce de um conjunto de atividades, portanto ele é um grito que pertence aos mais diversos movimentos de mulheres, homens, jovens, quilombolas e também de instituições compromissadas com os direitos humanos”, aponta José Carlos Pereira, integrante do movimento, em entrevista ao Brasil de Fato.

Em São Paulo, serão dois atos nesta sexta-feira de feriado. O primeiro terá início às 9 horas da manhã, na Praça Oswaldo Cruz, com caminhada finalizando no Monumento das Bandeiras. O segundo ato acontece às 10h, no Largo São Francisco, com caminhada pelo centro da cidade e encerramento do ato na Praça do Correio com uma homenagem ao falecido bispo João Paulo Evaristo Arns.

As manifestações da capital paulista devem contar com a presença de Fernando Haddad, candidato à vice-presidência de Luiz Inácio Lula da Silva, e Luiz Marinho candidato do PT ao governo de São Paulo.

A exposição que homenageia o cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, no Centro Cultural dos Correios, no centro da capital paulista, receberá na próxima sexta-feira (7) integrantes do Grito dos Excluídos deste ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário