Pages

PODER PARA O POVO! - CENTENÁRIO DE NELSON MANDELA


Militantes e políticos analisam a importância da luta e do legado do revolucionário sul-africano
Wilcker Morais


Do Brasil de Fato, 19 de Julho, 2018
Por Júlia Dolce


O mundo celebra, nesta quarta-feira (18), o aniversário póstumo de 100 anos de uma de suas maiores lideranças políticas: o advogado, guerrilheiro e presidente da África do Sul (1994-1999) Nelson Mandela. Diferentemente de muitas personalidades às quais atribuímos um centenário distante de seu tempo de vida, Mandela faleceu recentemente, em 2013, aos 95 anos, com uma longa trajetória que o tornou um símbolo global de resistência e superação, que passou 27 anos na prisão.

Ao longo de uma vida dedicada à construção de uma democracia, em oposição ao regime de segregação racial do apartheid, a liderança se tornou "Tata", ou “pai”, da moderna nação sul-africana, um apelido que diz tanto sobre sua simbologia quanto os outros nomes que lhe foram atribuídos ao longo da vida.

O batismo de nascimento de Mandela foi o nome de Rolihlala, que, em xhosa, um dos idiomas oficiais do país, significa "quem traz problemas", ou "agitador". Aos 16 anos, ao realizar um ritual de iniciação à vida adulta, recebeu o segundo nome de Dalibhunga, em português, "convocador de diálogo", ou "conciliador".

Proféticos, os nomes parecem antecipar a primeira e segunda parte da vida de Mandela, divididos pelos mais de 25 anos que passou sequestrado pelo regime do apartheid, na prisão. O nome Nelson, por sua vez, foi escolhido no colégio por uma professora, que dava nomes ocidentais para os alunos.

Por fim, o líder passou a ser chamado pelos sul-africanos de Madiba, nome do clã ao qual pertencia, o que exemplifica a ainda grande importância das etnias dentro do país.

Para Phakamille Hlubi Majola, porta-voz do Sindicato dos Metalúrgicos da África do Sul (Numsa), mesmo com muitas críticas ao governo de Mandela, e principalmente às conciliações realizadas para que ele alcançasse o poder, sua figura ultrapassa o limite da desconstrução.

"Ele é conhecido pelo mundo como o lutador pela liberdade, especialmente quando você considera os sacrifícios pessoais que ele fez pela revolução. Ele sacrificou o contato com sua família, passou muitos anos preso e poderia ter sido condenado à morte. É algo que não se pode diminuir. Ele é ainda uma pessoa muito importante na nossa história", afirmou.

AGITADOR

Mandela nasceu em 1918 na atual província sul-africana de Cabo Leste. Pouco tempo antes, em 1910, havia sido criada a então chamada União Sul-Africana, composta de diferentes colônias e do chamado Estado Livre de Orange. Mandela estudou em um colégio interno para negros durante a adolescência, e em 1939 ingressou no curso de Direito da Universidade Fort Hare, primeira instituição de ensino superior da região que ministrava cursos para negros.

A instituição acabou se tornando uma incubadora de líderes revolucionários, como o arcebispo Desmond Tutu, ganhador do prêmio Nobel da Paz de 1984, e, lá, Mandela conheceu amigos que posteriormente o apresentaram ao Congresso Nacional Africano (CNA), fundado em 1912 por nacionalistas que faziam frente às novas leis segregacionistas. Com o passar dos anos, já casado e pai de três filhos, Mandela atuou como advogado, defendendo os negros das injustiças das leis segregacionistas, e se tornou uma liderança. Até que, em 1951, tornou-se presidente do CNA. Em seus discursos, a principal palavra de ordem gritada por Mandela era "Amandla!", que significa "poder", a qual a multidão respondia "Awethu!", (para o povo!).

Paralelamente, a vitória da extrema-direita branca no governo do país, nos anos 1950, aumentou ainda mais a truculência do Apartheid, e Mandela se tornou um perseguido pela polícia. Na mesma década, o CNA recolheu demandas de voluntários em dezenas de vilas e cidades e construiu o manifesto "Freedom Charter" (Carta de liberdade), que trazia uma série de bandeiras políticas, entre as quais direitos humanos para todos e a distribuição de renda e terra, exemplificando os valores anticapitalistas do movimento.

"No Numsa e para qualquer um na esquerda, queremos lembrar o Mandela que lutava e defendia o Freedom Charter, que estava disposto a morrer pelo Freedom Charter. Quando você o lê, ele não vai tão longe como os comunistas insistiam, mas certamente era um documento básico e fundador para o começo de um socialismo na África do Sul. Isso porque falava de nacionalização de bancos, de recursos, da terra, de educação pública, da criação de uma vida de igualdade e liberdade para a classe trabalhadora e todos os africanos", afirmou Phakamille.

PRISÃO

Em abril de 1960, o CNA foi proibido e Mandela passou oficialmente para a clandestinidade. Na época, já havia se divorciado e casado com sua segunda esposa, a enfermeira, guerrilheira e companheira de luta Winifred Zanyiwe Madikizela, conhecida como Winnie Mandela, falecida em abril deste ano.

A partir dos anos 1960, após o Massacre de Sharpeville, ocasião em que a polícia assassinou 70 pessoas em um protesto contra uma lei que privava os negros do direito de ir e vir, o líder criou o braço armado do CNA, o "Lança de uma Nação". Então, Mandela iniciou uma série de viagens pela África, até ser encontrado pela polícia em seu esconderijo, em 11 de junho de 1963.

Mandela passou por um julgamento que mobilizou militantes em sua defesa em todo o mundo, e apesar de escapar de uma pena de morte, foi condenado à prisão perpétua. Sua prisão política foi denunciada no mundo inteiro principalmente por Winnie, que assumiu a liderança da CNA.

Nesse processo, mesmo cuidando das duas filhas que teve com Mandela, Winnie sofreu 24 prisões, ordens de restrição, banimento e proibições entre 1960 e 1985, e se tornou conhecida como Mama Winnie, uma das principais lideranças revolucionárias no mundo.

Aos 76 anos, a Deputada Federal Benedita da Silva (PT-RJ), que começou sua carreira política como vereadora no Rio de Janeiro em 1982, conta como Mandela e Winnie mobilizaram a militância no Brasil.

"Mandela é o homem que sofreu uma das maiores injustiças que já conhecemos na história, ficou todos aqueles anos preso injustamente sem ter cometido nenhum crime, seu único crime era pensar um país sem Apartheid. Ele comoveu o mundo inteiro. Milhões de manifestações foram feitas, e o Brasil teve um momento ímpar durante a Constituinte, defendendo o corte de relações com a África do Sul como um boicote por conta do Apartheid. Mandela unificou a África, unificou a diáspora, o mundo, em torno da ideia da liberdade", afirmou.

Segundo Milton Barbosa, fundador do Movimento Negro Unificado (MNU), organização pioneira fundada em 1978, a CNA e a luta de Mandela tiveram grande impacto na organização da população negra brasileira. O MNU foi responsável por organizar a primeira visita de Mandela pelo Brasil, em 1991.

"Mandela e a luta da África do Sul foi uma inspiração para nosso movimento. Já antes do MNU nós fazíamos a denúncia do racismo na África do Sul. Mandela foi uma esperança internacional, a personalidade dele era muito forte, ele era muito preparado e fazia um trabalho importante de formação de base. A fala oficial de Mandela aqui pela primeira vez no país foi o MNU que organizou. Foi um momento com muita sensibilidade", lembrou.

CONCILIADOR

Mandela ocupou a cela 466/64, de 2,5 metros por 2,1 metros na prisão da Ilha Robbem até 1982, tendo poucas visitas ao longo dos anos. Depois, foi transferido para uma prisão na Cidade do Cabo. Com a pressão internacional e a violência crescente dos movimentos em reação ao Apartheid, o governo sul-africano optou por soltar Mandela, em 1990, em um processo de negociações com a CNA que envolveu uma série de concessões por parte do antes revolucionário Mandela.

Apesar de ter sido criticado por tanto, Mandela foi finalmente solto e aclamado por uma multidão. "Quando me vi no meio da multidão, alcei o punho direito e estalou um clamor. Não havia podido fazer isso desde há vinte e sete anos, e me invadiu uma sensação de alegria e de força", declarou, posteriormente. A partir de então, ingressou na importante campanha presidencial, marcada pelo recebimento do Prêmio Nobel da Paz, em 1993. Em 1994, Mandela foi eleito, com 62% dos votos.

Para Sbu Zikode, presidente Movimento sul-africano por moradia Abahlali baseMjondolo, conhecido por ter fortes críticas aos governos da CNA, mesmo com as concessões de Mandela, sua libertação foi um momento de muita esperança.

"Nós achamos que Mandela foi um homem de palavra, de conciliação e de unidade, e ao redor disso ele criou nossa nação e a fase inicial de nossa democracia. Além disso, sua resistência e habilidades de negociação fizeram com que o país escapasse o que teria se tornado uma guerra civil. Naquela época, havia uma grande esperança e a nação inteira dizia em uma voz que tinha essa esperança, não apenas para a elite, mas para o povo", afirmou.

De acordo com Benedita da Silva, a eleição de Mandela foi um dos momentos mais emocionantes que vivenciou. Ela chegou a encontrar Mandela diversas vezes, enquanto estava preso, após sua libertação, e também no Brasil.

"Uma das coisas mais bonitas que eu vi foi o processo eleitoral, as pessoas nas condições mais precárias estavam lá com algo que ninguém pode roubar, que é a ideia, para vê-lo presidente da África do Sul. 06:35 Para mim ele foi muito importante, não só na parte da política, mas enquanto etnia, raça. Saber como uma minoria branca poderia oprimir por tantas décadas uma maioria negra. E ele mexeu muito com a nossa cabeça negra, para a gente continuar lutando. Mandela nos impulsionou a fazer parte dos espaços de decisão que é a política. e como saber ocupar esse espaço, foi o que aprendemos com Mandela", relatou.

No entanto, as propostas de conciliação se intensificaram durante seus quatro anos no governo, e acabou tornando a imagem de Mandela bastante palatável para os países capitalistas. A transição para a democracia multirracial, a principal bandeira de seu governo, por exemplo, envolveu a criação da Comissão da Verdade e Reconciliação, encarregada de apurar, mas não punir, os fatos ocorridos durante o Apartheid.

O líder foi lembrado até o final por Winnie, de quem eventualmente se separou, das concessões que havia feito, e mesmo tendo ocupado cargos em seu governo, ela nunca deixou de criticar o partido. Desde que Mandela deixou o poder, todos os presidentes que o sucederam pertencem ao CNA. Para militantes da esquerda sul-africana, o país vive há anos uma política econômica neoliberal. Na opinião de Phakamile, os principais problemas foram os resultados da luta de Mandela.

"A classe trabalhadora do tempo do colonialismo e Apartheid sempre demandou liberdade, igualdade e democracia genuínas. E mesmo que Mandela tenha feito todos esses sacrifícios, a maior parte da classe trabalhadora na África do Sul ainda vive a vida das pessoas negras na época do Apartheid. O CNA parecia comprometida com a liberdade da maioria da classe trabalhadora, mas quando veio a oportunidade para implementarem isso, eles fizeram concessões, assinaram leis com o capitalismo e agora a classe trabalhadora está pior do que esteve, em alguns sentidos, do que na época do Apartheid. Infelizmente, a língua que Mandela falava após sua liberdade era muito apelativa para o capitalismo", denunciou.


DIAS DE HOJE

Segundo o Numsa, hoje, mais de 50% da população sul-africana se encontra abaixo da linha da pobreza, e 37% da população está desempregada. Neste ano, o país vem sofrendo com o aumento nas taxas de inflação desde democratização, devido a um aumento no preço das tarifas do petróleo.

Além disso, está em trâmite no Congresso sul-africano um projeto de lei que pretende dificultar o direito à greve. "É muito doloroso para nós ver a mesma ANC realmente destruir e tirar os direitos que nós lutamos por durante Apartheid", afirmou Phakamile.

No dia 14 de fevereiro deste ano, o então presidente Jacob Zuma renunciou ao cargo após um ultimato do CNA. Ele é alvo de mais de 800 acusações por corrupção e é investigado por ter favorecido empresários em concessões públicas milionárias. Para Sbu, a corrupção está por trás de grande parte dos problemas que acometem a África do Sul hoje.

"As raízes do Apartheid não foram destruídas, ainda existem. O legado de Mandela ainda continua, mas vemos o contraste do governo de hoje, e é embaraçoso que hoje tenha tanta corrupção, desigualdade, pobreza e alta taxa de desemprego entre pessoas jovens.Eu acredito que se ele tivesse tido mais tempo para governar a maioria desses problemas teriam sido evitados ou não estariam tão altos", afirmou.

De acordo com a porta-voz do Numsa, o sindicato tem pedido para seus trabalhadores escreverem sobre o simbolismo de Mandela para discutirem seu legado, neste 18 de julho, conhecido no país como "Dia de Mandela".

"Especialmente agora, analisamos onde estamos nessa democracia 24 anos depois, e descobrimos que a classe trabalhadora está sob ataque. Se não analisamos criticamente o que realmente aconteceu no governo de Mandela estamos fadados a fazer o mesmo erro de novo. Por isso precisamos aprender com essa lição que devemos nos organizar", apontou.

Para Sbu Zikode, o principal legado de Mandela é servir de comparação para os próximos governantes da África do Sul.

"Nós somos definitivamente ainda inspirados por Mandela, o vemos como o sacrifício máximo, não acredito que exista qualquer líder hoje que aguentaria o que ele aguentou. Então isso é simbólico para muitos de nós. Eu gostaria de desafiar as atuais lideranças para ver se existe qualquer um que consiga honrar Madiba. Ele dizia: "Uma nação não deve ser julgada pela forma como trata seus cidadãos mais elevados, mas seus menos queridos", concluiu.

Coordenação de Jornalismo: Nina Fideles e Thalles Gomes | Coordenação de Multimídia: José Bruno Lima | Texto: Júlia Dolce | Edição: Diego Sartorato e Juca Guimarães | Artes: Wilcker Morais

Nenhum comentário:

Postar um comentário