Pages

Brasil: uma classe dominante truculenta, reacionária e entreguista

Trabalho escravo ainda é real - Foto: Substantivo PluralT

Do IELA, 13 de Julho, 2018

por Edmilson Costa

Antes de tudo, é necessário enfatizar que não existe classe dominante boazinha em nenhuma parte do mundo capitalista. Todas elas buscam a maximização dos lucros e o controle do poder político na sociedade para exercer o seu domínio. Também não têm escrúpulos: quando seu poder está em jogo, não hesitam em se utilizar de qualquer meio, método, ilegalidade ou brutalidade para manter o controle social e político. Não podemos esquecer que a "esclarecida" burguesia alemã recorreu ao nazismo para restabelecer plenamente a dominação, da mesma forma que as burguesias italianas e japonesas recorreram ao fascismo para se manterem no poder e disciplinar os trabalhadores.

Na América Latina também é bom lembrar que as burguesias da região apoiaram Somoza, Pinochet, Videla e a ditadura brasileira, além das torturas, assassinatos e desaparecimento de presos políticos. Portanto, o parâmetro que define o comportamento das classes dominantes em qualquer momento e em qualquer país é a correlação de forças na disputa política e a luta de classes. A organização revolucionária que não compreender essa dinâmica e realizar alianças com o inimigo, pagará um preço muito alto por suas ilusões de classe. Essa tem sido a história e a tragédia dos partidos e organizações que optaram por esse caminho.

Mas as classes dominantes brasileiras têm uma singularidade que as torna mais truculentas, preconceituosas e autoritárias que as outras: são filhas legítimas da Casa Grande e do desrespeito permanente aos trabalhadores ao longo de nossa história. Esse fenômeno é resultado de um histórico de dominação e impunidade que vem desde os tempos da colônia, com a escravidão. Os mais de 300 anos de trabalho escravo no Brasil (foi o último país a abolir a escravatura) deixaram marcas profundas na sociedade brasileira e, especialmente, nas classes dominantes.

Nenhuma sociedade passa impune diante de mais de três séculos de escravidão, nos quais os africanos e seus descendentes foram tratados como sub-raça. Como eram propriedade dos senhores de engenhos e donos das terras, trabalhavam e viviam nas mais terríveis condições: eram humilhados, torturados ou assassinados se contrariassem as ordens dos proprietários. Os senhores de engenho e das terras eram donos da vida e da morte de cada um dos africanos escravizados. Até os bichos de estimação das fazendas e engenhos tinham tratamento melhor que os escravos.

Essa tradição autoritária alimenta o imaginário das classes dominantes brasileiras, fato que se consolida através dos tempos com a permanente impunidade dos ricos e poderosos que detêm o poder no Brasil. Além disso, o país não realizou uma revolução burguesa clássica, sua industrialização ocorreu muito tardiamente, e o desenvolvimento econômico e social foi estruturado a partir dos interesses e padrões dos países centrais e de uma elite recém-saída do período escravocrata. A isso se acrescenta um processo de reprodução do capital típico de uma burguesia subordinada que realiza permanentemente a superexploração do trabalho. Mesmo em pleno século XXI, a classe dominante brasileira ainda se comporta de maneira semelhante aos velhos senhores escravocratas, evidentemente com modos mais refinados de mandonismo.

Para consolidar essa tradição, as classes dominantes realizam um permanente trabalho de manipulação ideológica junto à população, através de seus aparatos da superestrutura, especialmente o monopólio das comunicações, de forma a que a grande maioria da população e, especialmente os trabalhadores, a juventude e o povo pobre das periferias não consigam perceber claramente o processo de exploração, mandonismo e rapina das classes dominantes, bem como a maneira predatória com que se apossam dos recursos do fundo público, da riqueza produzida por todos e como se subordinam de maneira servil aos interesses do capital internacional.

Na crise, a burguesia mostra a sua cara

Essas reflexões introdutórias estão ligadas ao fato de que a crise brasileira está sendo mais uma vez pedagógica no sentido de compreendermos o papel das classes dominantes brasileiras e, principalmente, da chamada burguesia nacional. Em nosso país estamos vivendo aquele intervalo gramsciniano em que um ciclo está morrendo e outro está nascendo, mas ainda não se consolidou. Justamente nesse intervalo aparecem os monstros, expressos nas manifestações mais bizarras e nos comportamentos políticos mais desvairados. Como as crises são momentos da verdade para todas as classes, a crise brasileira também está servindo para que as classes dominantes mostrem sua verdadeira face.

No Brasil, essas classes dominantes sempre procuraram dissimular suas intenções e objetivos das mais variadas formas. Até muito recentemente todos se envergonhavam de serem considerados de direita. Eram raras as manifestações típicas de extrema direita. Todos preferiam parecer de centro ou mesmo partidários da democracia. Por isso, o partido de Maluf se chama Partido Progressista, o das oligarquias regionais é denominado Democratas, o da direita neoliberal se chama Social-Democrata e assim por diante.

No entanto, o agravamento da crise está fazendo a burguesia mostrar-se sem máscaras. Muitos setores burgueses já não têm mais vergonha de se declarar publicamente de direita, outros setores estão flertando abertamente com o fascismo. Suas ações se tornam cada vez mais ousadas. Essa nova cara da extrema direita burguesa explica a campanha pela volta da ditadura militar, o ódio contra minorias e os pobres em geral, a criminalização dos movimentos sociais, a agenda aberta contra os direitos e garantias dos trabalhadores, o assassinato dos sem terra, a justificativa das mortes da juventude pobre e preta da periferia, a campanha contra a esquerda em geral.

Já não conseguem se utilizar do tema da corrupção para levar centenas de milhares às ruas como há dois anos, mas mantêm uma luta ideológica e uma ação política permanente em todas as áreas, inclusive nas redes digitais, onde advogam abertamente a publicação de fake news como método de propaganda. É só lembrar que, durante a greve dos caminhoneiros, um movimento justo contra a política de preços da administração ultraliberal do ex-presidente da Petrobrás, a direita procurou de todas as formas transformar o movimento numa manifestação pela intervenção dos militares na vida do país. Além do fato de que o principal monopólio das comunicações, as organizações Globo, manipulam diariamente os acontecimentos e envenenam a população com os valores conservadores.

Os ingênuos ou desatentos a uma leitura mais rigorosa da realidade podem dizer que esses setores são minoritários, que não representam o conjunto da burguesia. Isso pode até ser verdade nesse momento, afinal em todas as classes sempre há setores mais radicais e outros mais moderados em determinado momento da conjuntura. Mas não se pode desconhecer que está se verificando uma mudança de qualidade no entendimento da burguesia sobre as saídas para a crise. À medida que a crise se agrava, fruto do fracasso e desmoralização do golpe, da estagnação da economia, da continuidade do desemprego, à medida que a burguesia não encontra um candidato que a unifique, então cada vez mais setores amplos dessas classes dominantes estão se voltando para a candidatura de Bolsonaro.

Não se trata ainda de um acordo formal, mas os recentes episódios dos seminários promovidos por empresários industriais e da área financeira com os candidatos e os aplausos às propostas do candidato da extrema direita deve chamar a atenção de todos. Vale lembrar ainda que em 1989 a burguesia não estava conseguindo se unificar em torno dos candidatos tradicionais e foi buscar um desconhecido senador alagoano (Collor) para derrotar Lula. Deu no que deu. Não será surpresa que, diante das dificuldades e da falta de unidade, a burguesia faça qualquer tipo de opção para manter seus privilégios, inclusive apoiando Bolsonaro.

Ao lixo com os escrúpulos

O que ocorreu nesses seminários empresariais? Na reunião com cerca de dois mil empresários, na Confederação Nacional da Indústria, Bolsonaro foi aplaudido pelo menos seis vezes durante sua explanação, quando defendeu que vai colocar generais nos ministérios, que a mídia deve parar de ver os empresários como bandidos e que "os trabalhadores têm que decidir entre ter menos direitos e emprego para todos, ou todos os direitos e nenhum emprego". E continuou: "tem que fazer valer a vontade dos senhores", referindo-se aos empresários.

Bolsonaro se comprometeu ainda a continuar as reformas realizadas por Temer e ampliar as privatizações, uma agenda que lhe é ensinada pelo seu assessor econômico, Paulo Guedes, um ultraliberal e privatista ensandecido. A "civilizada" "burguesia nacional" aplaudiu Bolsonaro quando este falou contra a "ideologia de gênero" ou ainda quando fez piadinhas tais como: "Hoje estão tirando a nossa alegria de viver. Não se pode mais contar piadas sobre afrodescendentes, cearenses ou goianos". A radicalização da burguesia está se consolidando ao ponto em que um dos candidatos que também participou do seminário foi vaiado porque disse que iria rever a reforma trabalhista.

Mas não é só a burguesia dita produtiva que está flertando com Bolsonaro. Os sofisticados banqueiros, investidores e gestores do mercado financeiro, em evento fechado para a imprensa, promovido pelo Banco Pactual (19o. CEO Conference), com a presença de 2.500 deles, também aplaudiram de pé as propostas neoliberais e conservadoras do candidato, principalmente quando ele disse que metralharia a favela da Rocinha para resolver o problema da segurança. "Mandaria um helicóptero derramar milhares de folhetos na favela e daria um prazo de seis horas para os bandidos se entregarem. Encerrado o tempo, metralharia a Rocinha", no que foi aplaudido pela entusiasmada plateia. Mais ainda: teve que permanecer mais meia hora no recinto porque as doidivanas do mercado financeiro queriam tirar selfies com o candidato fascista.

Para quem imaginava uma burguesia limpinha e cheirosa ou estava com planos de alianças em nome da unidade nacional, esta é uma realidade constrangedora. Se até o último dia para o registro eleitoral a burguesia não conseguir encontrar um candidato menos boçal e troglodita, jogará seus escrúpulos na lata do lixo e entrará com malas e bagagem para o comboio do candidato da extrema direita. Não importa se Bolsonaro faz homenagem a um torturador como Brilhante Ustra, se é racista, misógino, preconceituoso ou contra os direitos humanos e das mulheres. Falam mais altos seus interesses econômicos e o controle político da máquina governamental, como aconteceu em 1964 e ao longo da ditadura. Para os órfãos da burguesia nacional, esse é um momento muito difícil.

Constatar as opções da burguesia num momento de grave crise é saudável e pedagógico para as forças revolucionárias. No entanto, depois dessa constatação ainda querer realizar alianças com esses setores dominantes aí já é masoquismo. Até porque as classes dominantes brasileiras historicamente sempre estiveram perfiladas com o que há de mais atrasado e reacionário na história brasileira desde o período colonial. Ninguém que queira realizar as transformações em nosso país tem mais o direito de errar diante de uma questão objetiva como esta. O exemplo recente da experiência do PT e suas alianças com o grande capital e as oligarquias regionais foi bastante dramático para não se cometer o mesmo erro novamente.

Construir o campo popular

Numa sociedade como a brasileira (o país é a oitava economia do mundo), com um capitalismo maduro, as classes sociais devidamente constituídas, a ordem institucional burguesa funcionando de acordo com os interesses dos de cima, não há espaço para alianças com a burguesia ou as oligarquias em geral para se realizar qualquer mudança. Pelo contrário, essas alianças já foram derrotadas no passado e agora significam o cemitério para as forças que continuarem insistindo nesse erro. O mais grave disso é o fato de que uma parcela muito expressiva de forças de esquerda continua insistindo nessa estratégia como se nada tivesse acontecido no passado recente.

Os exemplos do apoio ao discurso de Bolsonaro no seminário da Confederação da Indústria e no dos engravatados do mercado financeiro é um sinal muito forte do caráter da burguesia brasileira, tanto a chamada burguesia produtiva quanto a financeira. Essa conversa fiada de ficar separando o capital produtivo e financeiro no Brasil é outro sofisma para justificar o injustificável. O capital produtivo brasileiro ganha também muito dinheiro no mercado financeiro. Tem departamentos especializados para aplicar em títulos e no mercado futuro. Uma parcela expressiva dos seus lucros vem exatamente da especulação financeira. Portanto, as contradições entre capital produtivo e financeiro são apenas pontuais: em essência, todos são truculentos, autoritários e entreguistas.

As reuniões recentes de Bolsonaro com os principais executivos da área produtiva e financeira são uma demonstração cristalina de que não se deve esperar desses setores nenhuma ação no sentido de qualquer mudança no país. Pelo contrário, a burguesia brasileira está aliada até o tutano com as forças do capital internacional. São os principais inimigos do povo brasileiro, especialmente dos trabalhadores, da juventude e do povo pobre das periferias. Não tem nenhum papel a cumprir em qualquer processo de mudanças. Estarão sempre ao lado das causas mais reacionárias, conservadoras e entreguistas da sociedade brasileira. Estão entregando agora o Pré-Sal, a Embraer, colocando veneno na mesa da população. Realizaram o ajuste fiscal por 20 anos, a reforma trabalhista, a lei das terceirizações e por pouco não conseguiram aprovar a reforma da previdência. Portanto, qualquer aliança com esses setores será mais uma tragédia para quem continuar optando por esse caminho.

Para quem quer realizar as transformações no Brasil, a política de alianças deve ter como centro o campo popular (o conjunto dos assalariados, suas famílias e aliados em contradições com o grande capital nacional e internacional), que não só representa a grande maioria da população brasileira, mas também é o único campo capaz de aglutinar e construir um programa que seja capaz de contemplar os interesses desta maioria e colocá-la em movimento pelas transformações sociais. Essa é a nossa tarefa agora: construir a frente política e social classista e transformar a grande insatisfação que existe na sociedade contra as classes dominantes, contra a corrupção e as precárias condições de vida de nosso povo em movimento organizado pelas grandes mudanças, sob a direção do campo popular.


Edmílson Costa é Secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro (PCB)

O original encontra-se em pcb.org.br/...

Nenhum comentário:

Postar um comentário