Pages

O uso indevido de medicamentos na agricultura

Do GGN, 18 de Junho, 2018
Por Jonathan Anomaly. no Project Syndicate, Tradução de Caiubi Miranda



SAN DIEGO - A maioria de nós não percebe as ameaças que nossas ações causam quando essas ameaças são invisíveis. Um bom exemplo é o uso que fazemos de antibióticos. Quando usados ​​com prudência, os antibióticos salvam vidas e evitam a transmissão de doenças mortais. Mas o poder terapêutico dos antibióticos está sendo desperdiçado por seu uso imprudente na agricultura.

Atualmente, mais da metade dos antibióticos administrados no mundo são utilizados na produção de alimentos . Os agricultores usam antimicrobianos para tratar infecções no gado. O problema é que eles usualmente usam antibióticos de maneira inadequada: para compensar práticas agrícolas ruins - como a superpopulação em fazendas industriais, que estimulam a disseminação de doenças - ou para acelerar o crescimento e reduzir os custos de produção.

Essas práticas podem parecer inofensivas isoladamente, mas seu efeito adicional é perigoso. À medida que os antibióticos entram no meio ambiente através dos alimentos que as pessoas comem ou dos resíduos produzidos pelos animais, a resistência antimicrobiana se intensifica . E isso afeta a saúde humana de maneiras perturbadoras.

Todos os dias, em hospitais e clínicas em todo o mundo, os pacientes recebem antibióticos para tratar infecções bacterianas, como tuberculose, gonorréia ou pneumonia. Outros recebem antibióticos profilaticamente, com o objetivo de prevenir infecções bacterianas durante cirurgias ou quando condições subjacentes ou tratamentos (como a quimioterapia) afetam seus sistemas imunológicos. Infelizmente, muitos antibióticos amplamente utilizados estão perdendo sua capacidade de proteger pacientes e tratar doenças; o uso rotineiro de antibióticos na agricultura é uma das principais razões pelas quais isso acontece.

Não muito depois de o microbiologista escocês Alexander Fleming ter descoberto um fungo que poderia matar bactérias, ele reconheceu que o uso excessivo de antibióticos estimularia a resistência. Como Fleming observou em 1945, "a pessoa imprudente que faz truques com a penicilina é moralmente responsável pela morte do homem que acaba sucumbindo a uma infecção causada por um organismo resistente à penicilina".

O abuso generalizado de antibióticos na agricultura é uma das formas mais atrozes de "fazer truques com a penicilina". Em 2015, uma nova bactéria resistente a antibióticos foi descoberta em porcos chineses e depois em pacientes chineses. Desde então, mais duas variantes das bactérias foram descobertas , e os genes que permitem que essas bactérias sejam resistentes a antibióticos e saltam entre as espécies - chamadas de " elementos genéticos móveis " - foram encontrados em fazendas e hospitais em toda parte. do mundo . Se o uso irresponsável de antibióticos na agricultura continuar, o impacto sobre as pessoas será severo.

Felizmente, existe uma solução. Mais de uma década atrás, a União Européia proibiu o uso de antibióticos na agricultura para qualquer outro fim que não o tratamento de infecções. E, embora a regra não seja perfeita, ajudou a reduzir o uso de antibióticos. Na Dinamarca, por exemplo, o uso total de antibióticos pelos suinocultores diminuiu, apesar do ligeiro aumento dos antibióticos administrados para o tratamento das doenças dos suínos. Esses avanços, embora modestos, são encorajadores - e devem incentivar ainda mais a ação coordenada.

Devido à natureza global da ameaça, somente a cooperação multilateral - na forma de novos tratados ou acordos comerciais - pode garantir que os agricultores em todos os lugares atendam aos padrões mínimos para criar gado, sem fazer uso desnecessário de antibióticos. Em dezembro de 2015, um estudo encomendado pelo governo britânico e presidido pelo economista Jim O'Neill descobriu que a maneira mais eficaz de mudar comportamentos seria estabelecer um limite máximo para o uso de antibióticos, mas, por sua vez, permitir que os países experimentem individualmente impostos ou restrições para atender a esse limite máximo permitido. Além disso, como argumentei em outro lugar, os agricultores devem ser obrigados a obter uma receita antes de administrar medicamentos ao gado. Embora a proibição da UE inclua tal disposição, as isenções e exceções moderaram a regra.

Se um consenso global for alcançado - por exemplo, através do G20 ou da Assembléia Geral da ONU - os países que escolherem impor impostos sobre antibióticos agrícolas poderiam usar as receitas para facilitar a transição para práticas agrícolas alternativas. O dinheiro também poderia ser usado para financiar pesquisas sobre carne in vitro , o que reduziria drasticamente o sofrimento dos animais e diminuiria a carga de doenças infecciosas.

O mais importante é que qualquer novo tratado dê aos signatários flexibilidade para atender às diversas necessidades de seus agricultores. O objetivo da ação global deve ser incentivar os agricultores a reduzir o uso de antibióticos, e não infligir punições.

É possível criar condições sob as quais antibióticos são usados ​​apenas para tratar pacientes doentes, não para tratar animais saudáveis. Embora o mundo esteja longe de alcançar essa meta, as práticas voltadas ao consumidor nos Estados Unidos e as regulamentações na Europa mostraram que os agricultores mudarão sua abordagem se forem incentivados ou obrigados a fazê-lo.

Mesmo assim, a maioria de nós permanece cega para as consequências não intencionais de nossas decisões. A menos que as pessoas voluntariamente se abstenham de consumir carne cultivada em "fazendas-fábricas", precisaremos de governos e organizações multilaterais para nos manter no caminho certo.

Jonathan Anomaly é professor de filosofia na Universidade de San Diego e co-editor do 'Philosophy, Politics anda Economics: An Anthology"

Nenhum comentário:

Postar um comentário