Pages

Unesco destaca que 90% da população depende de recursos hídricos transfronteiriços

Diferentes discursos de representantes e chefes de Estado e autoridades ligadas a organismos internacionais chamaram a atenção, na abertura do 8º Fórum Mundial da Água, para a relação entre a falta de acesso à água e problemas como fome e de conflitos regionais.

Do IHU, 21 de março, 2018

A reportagem é de Pedro Peduzzi e Paulo Victor Chagas, publicada por Agência Brasil, 20-03-2018


Em seu discurso, a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, reiterou o compromisso da ONU em trabalhar com os pequenos países em desenvolvimento para proteger seus lençóis freáticos. Ela lembrou que 90% da população mundial depende de recursos hídricos transfronteiriços.

“Trabalharemos para que a gestão sustentável da água e a paz sejam sustentadas”, disse a diretora, referindo-se ao risco de haver conflitos no mundo em decorrência da escassez de água
“Precisamos assegurar melhoria da qualidade da água e mitigar também problemas como os de enchentes. Devemos trabalhar com a natureza, e não contra a natureza”, acrescentou.

Escassez e risco de conflitos

O primeiro-ministro do Principado de Mônaco, Serge Telle, também manifestou preocupação com o risco de a escassez resultar em desentendimentos regionais e na morte de milhões de pessoas ao redor do mundo.

“A escassez de recursos nutre conflitos em um mundo que usa milhares de litros de água para a produção de bens de consumo. É uma necessidade ecológica que se reduza dia após dia o uso de nossos recursos de água potável”, disse Serge Telle.

Ele acrescentou que a falta de água potável “é fator de subdesenvolvimento e de desigualdade entre homens”, e que a escassez de água que acarreta em “milhões de mortes” a cada ano. A crise no mundo, segundo ele, acaba por “sacrificar o futuro em nome do presente”.

“A água dá uma realidade a perigos abstratos. Podemos ver isso em imagens de enchentes, nas águas impróprias ao consumo, que propagam doenças e induzem as populações a se deslocarem. A água também mostra a solução a esses problemas, pelo domínio da água e do saneamento”, completou.

O vice-presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Mangue, ressaltou que não se pode subestimar a importância da água para qualquer atividade humana. “A água provocou enfrentamento em diferentes comunidades e é a base de inumerosos conflitos. Tratar essa questão não é apenas uma questão de abordagem de seu uso. Tem influência sobre a paz universal”, disse.
Justiça social e futuras gerações

Representando o país que sediará o 9º Fórum Mundial da Água, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Senegal, Sidiki Kaba, afirmou que o acesso universal à água “é uma questão de justiça social”, e que não se pode considerar esse recurso como sendo inesgotável.

“Governos, sociedade e setor privado têm de trabalhar por uma gestão eficiente e sustentável. A água não deve ser causa de doença. Ela é fonte de vida que deve estar disponível a todos, estancando a sede, nutrindo e cuidando e purificando o bem da humanidade” disse.

Já o primeiro-ministro de Marrocos, Saad Dine el Otomani, manifestou preocupação com a disponibilidade da água para as futuras gerações. “A água não pertence apenas à atual geração. Temos de deixar para as gerações futuras”.

Premiação


Otomani destacou o engajamento de seu país em promover premiações a projetos que tratam da distribuição e do uso eficiente da água. É o caso do Prêmio Mundial para a Água Hassan II, que foi entregue ao secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Gurría.

A premiação, oferecida pelo governo de Marrocos, é entregue a cada três anos na abertura do Fórum Mundial da Água e em 2018 tem como objetivo reconhecer iniciativas que garantam solidariedade, inclusão e a segurança hídrica global. Como não pôde comparecer, Gurría enviou um vídeo agradecendo a homenagem e destacando que há pelo menos uma década tem defendido que a organização se debruce sobre a água, junto com outros temas, como a migração.

Leia mais

Água e saneamento básico: um direito a ser conquistado. Revista IHU On-Line, N° 321
FAO alerta que a escassez de água e as secas recorrentes podem gerar migrações em diversos países
Escassez de água em várias partes do mundo ameaça a segurança alimentar e os meios de subsistência
Crises hídricas globais podem criar 'refugiados da água', diz ativista
UNESCO adverte para risco de aumento dos refugiados ambientais devido às mudanças climáticas e à desertificação
A exploração da água é apontada como uma das causas da crise hídrica no mundo
Usos da água e desigualdade na oferta precisam ser discutidos, diz especialista
Fórum Alternativo Mundial da Água debaterá a água como um bem natural, que não pode ser mercantilizada
Países ignoram ONU e não reconhecem água como direito humano
Maior estiagem não é sinônimo de mais crise hídrica, afirmam especialistas
Para especialista da UFSC, privatização da água ganha espaço na agenda nacional
Mulheres são as principais responsáveis por levar água para as famílias, mas ainda têm pouco espaço na gestão dos recursos hídricos no país
Privatização da água ameaça meio ambiente e saúde humana
‘Brasil precisa estar atento e preparado para compartilhamento de água’, diz senador
Fama 2018: a resistência de populações em busca do direito humano à água
Com novas unidades, 25% das áreas marinhas ficarão protegidas, diz Sarney Filho
Recuperação de mananciais passa por soluções para a falta de moradias nos centros urbanos
Pegada hídrica: marca do consumo de água do brasileiro é de 154 litros por dia
Água de reúso pode ser solução para crises hídricas provocadas pela falta de chuvas

Nenhum comentário:

Postar um comentário