Pages

Piripkura. Um documentário a ser visto e debatido

Piripkura
Ficha técnica
Nome: Piripkura
Nome Original: Piripkura
Cor filmagem: Colorida
Origem: Brasil
Ano de produção: 2017
Gênero: Documentário
Duração: 82 min
Classificação: 10 anos
Direção: Renata Terra,
Mariana Oliva, Bruno Jorge
Há quase 30 anos, Jair Candor, funcionário da FUNAI, acompanha Pakyi e Tamandua, protegendo os dois últimos índios Piripkuraque vivem num trecho isolada de floresta no Mato Grosso, cercados pela expansão de fazendas e madeireiros.
Do IHU, 05 de março, 2018

A resenha do filme é Neusa Barbosa, publicada por Cineweb, 27-02-2018.
Eis o texto.

Vencedor dos prêmios de melhor documentário no Festival do Rio e também do de Direitos Humanos do Festival Internacional de Documentário de Amsterdã (IDFA) de 2017, Piripkurarepresenta a saga dos dois últimos sobreviventes desse povo indígena, cujas pistas são seguidas pacientemente por Jair Candor, funcionário da FUNAI.

O destino de Jair e desses dois, Pakyi e Tamandua, cruzou-se há quase 30 anos atrás, em 1989, quando o primeiro liderou uma expedição que os localizou, num trecho de floresta no Mato Grosso, cercado por fazendas e madeireiras em expansão. Na ocasião, Jair foi acompanhado por Rita, a terceira sobrevivente Piripkura, irmã de Pakyi e tia de Tamandua, que há anos fugiu de sua região por conta da violência dos brancos que dizimou o resto da tribo. Hoje ela vive em Rondônia, depois de ter constituído família com um índio Karipuna – este, outro povo de população drasticamente reduzida pelo enfrentamento com os brancos.

Desde então, Jair tem como missão monitorar, de tempos em tempos, a sobrevivência de Pakyi e Tamandua, para poder renovar a portaria de interdição de sua terra à cobiça de fazendeiros e madeireiros. Não se trata, portanto, de uma demarcação definitiva. Jaire sua equipe, à qual se junta eventualmente também Rita, partem para a floresta onde Pakyi e Tamandua são capazes de desaparecer, como se fossem invisíveis – demonstrando as incríveis habilidades que os protegeram do massacre que vitimou o resto de seu povo.

A paciência, contudo, é a arte que Jair deve cultivar acima de tudo. Por longos meses, tudo o que encontra são sinais de fogueira, cascas de cará, restos de cabanas, sinais inequívocos da passagem dos dois índios que, como ele lembra, “vivem com quase nada”. A saber, uma tocha, um machado e seu naco de floresta em pé.

A persistência, no entanto, compensa. E Pakyi e Tamandua finalmente aparecem, por vontade própria, no posto da FUNAI que fica perto de seu bosque. O motivo da vinda é que sua tocha apagou. Pequenos e nus, curiosos mas não intimidados com a câmera, eles se misturam a Jair e aos outros ocupantes do posto, compartilhando as bananas que lhes oferecem e participando de uma pescaria. Jair tenta retê-los o tempo que possa, para que a enfermeira possa chegar e avaliar sua saúde.

Nada poderia ser mais eloquente do valor desse esforço heroico e solitário de Jair pela preservação dos dois índios do que sua presença diante da câmera – que remete a um encontro entre eras tão diferentes como deve ter sido a chegada dos portugueses ao Brasil de 1500, só que, desta vez, com o homem branco imbuído de proteger, não de explorar. Jair é também um ser da floresta, cujo empenho é garantia de mais um tempo ganho para este povo dizimado pela exploração desmesurada da natureza.

“Será que não derrubaram o bastante nesta p... deste país?”, explode Jair. Estamos com ele, para que Pakyi, Tamandua e as culturas milenares que eles representam, como as de outros, sobrevivam. E a floresta também.

Leia mais

O genocídio dos povos indígenas. A luta contra a invisibilidade, a indiferença e o aniquilamento. Revista IHU On-Line, N° 478
Por trás de uma demarcação, a poderosa imagem dos índios isolados
Contra a corrente, guardiões da floresta lutam para manter a Amazônia em pé
Jornada extraordinária: indígenas isoladas retornam à floresta Amazônica
MPF investiga denúncia de massacres de indígenas isolados no Amazonas
O inaceitável massacre de indígenas isolados no Vale do Javari
Governo brasileiro abandona indígenas isolados à mercê de madeireiras e agronegócios
Massacre de índios isolados expõe o estrangulamento da Funai
Os índios isolados e os indignados
Índios isolados podem ser exterminados no Acre por despreparo da Funai
Garimpeiros mataram índios “flecheiros” no Vale do Javari, confirma MPF do Amazonas
‘Garimpeiros gravaram áudios se gabando das mortes’, diz ONG sobre denúncia de massacre de índios
"Os índios isolados foram massacrados, mas Funai diz que não há provas"

Nenhum comentário:

Postar um comentário