Pages

Novos tempos – novo tipo de educação

Do IHU, 07 Março 2018
Por  Leonardo Boff




“A grande maioria não tem consciência dos riscos que corre. É como no tempo de Noé: todos se divertiam e riam do velho. E veio o dilúvio. Só que hoje é diferente: não temos uma Arca de Noé que salve alguns e deixa perecer os outros. Todos podemos perecer”, escreve Leonardo Boff, teólogo, filósofo e escritor.

Segundo ele, “tudo isso no obriga a pensar sobre o futuro comum de nossa espécie e da Casa Comum. Tudo deve começar com uma sensibilização geral. É em casa e na escola que tal nova consciência deve surgir”.
Eis o artigo.

A realidade nos últimos decênios mudou tanto que afetou também nosso estilo de educação. Cito algumas destas mudanças:

- Construímos o princípio de nossa auto-destruição com armas nucleares, químicas e biológicas. Nada é absolutamente seguro e um acidente qualquer poderá destruir nossa civilização.

- O aquecimento global cresce dia a dia. Se nada fizermos, como a comunidade científica norte-americana advertiu, podemos conhecer dentro de alguns anos, um aquecimento abrupto de até 4-6 graus Celsius. Com isso, a maioria das vidas conhecidas não resistirá e vai desaparecer. Parte também da humanidade.

- A escassez de água potável (só 0,3% é acessível aos seres humanos e aos animais) poderá provocar guerras letais para garantir acesso a fontes de água doce. Ou também alianças de cooperação.

- A planetização é um fato novo na história da Terra e da Humanidade. Saímos um dia da África, onde ficamos por lá por 4-5 milhões de anos e por isso somos todos africanos e nos espalhamos depois pelos continentes; agora estamos voltando e nos encontrando num único lugar: a Casa Comum, a Terra.

- A crise ecológica afeta diretamente o sistema-vida e o sistema-Terra. Estamos destruindo as bases físico-química que sustentam a vida. A continuar a super-exploração da Terra, ela não aguentará e nossa civilização estará ameaçada.

Há o risco de super-bactérias que perderam seu habitat pelo desmatamento e podem invadir cidades e dizimar milhares de pessoas sem sabermos como enfrentá-las com potentes antibióticos.

Estes são dados e não fantasias. A grande maioria não tem consciência dos riscos que corre. É como no tempo de Noé: todos se divertiam e riam do velho. E veio o dilúvio. Só que hoje é diferente: não temos uma Arca de Noé que salve alguns e deixa perecer os outros. Todos podemos perecer.

Tudo isso no obriga a pensar sobre o futuro comum de nossa espécie e da Casa Comum. Tudo deve começar com uma sensibilização geral. É em casa e na escola que tal nova consciência deve surgir.

Vejam que tarefas novas se apresentam aos mestres e que nova percepção devem desenvolver nos educandos. Logicamente a escola deve levar avante sua tarefa básica como a UNESCO elencou:

Aprender (1) a conhecer tudo o que o passado nos legou. Como escreveu Montaigne (1533-1592)nos seus Ensaios: “o educador deve ter antes a cabeça bem feita do que bem cheia”. Vale dizer, saber a situação real da Terra e passá-la aos estudantes;

(2) aprender a pensar; sabemos muito e tudo está no Google, mas não pensamos o que sabemos. O saber é um poder que pode construir uma bomba atômica ou um antibiotico. O saber não é neutro. Pensar é detectar a quem ele serve e quem são os donos do saber;

(3) aprender a viver que é criar um caráter reto, amante da verdade, é ser um bom cidadão participativo com um projeto solidário de vida;

(4) aprender a conviver, pois hoje vivemos no meio das maiores diferenças de raça, religião, ideias, opções sexuais; não permitir que a diferença se transforme em desigualdade; todos têm direito de viver seu modo de ser; importa estar aberto pelas redes sociais ao destino dos povos, muitas vezes trágico como agora na Síria; interessar-se pelo sofrimento dos mais pobres e excluídos;

(5) aprender a cuidar; isso é novo pois sabemos que o cuidado é a lei básica de todos os seres vivos e também do universo; se não cuidamos da água, do lixo, de nós mesmos e das relações sociais, podemos dar espaço à degradação; tudo o que amamos cuidamos e tudo o que cuidamos amamos;

(6) aprender a ter uma ética e uma espiritualidade; a religião pode ajudar mas não necessariamente, pois muitas fazem guerra e matam; ser ético é orientar-se pelo bem, é assumir as consequências de nossos atos, bons ou maleficos; optar pelo bem comum, pela verdade contra toda a corrupção; espiritualidade é uma dimensão antropológica como é a razão, a vontade e a libido; somos espirituais quando colocamos a perguntas derradeiras: por que estou aqui, qual é o sentido do universo, da vida e de minha própria existência?

Ser espiritual é desenvolver o que os neurólogos e neurolinguistas chamam de “ponto Deus no cérebro”: sempre que abordamos assuntos do sagrado e do sentido ultimo da vida há uma aceleração de nossos neurônios; é o “ponto Deus”; ele nos permite intuir que por detrás de todas as coisas há uma Realidade amorosa e poderosa que tudo sustenta, as estrelas e também nossas vidas.

O “ponto Deus” é feito de amor, de compaixão, de solidariedade e de devoção; ele nos torna mais sensíveis aos outros e mais humanos; cultivar o “ponto Deus” é superar o materialismo atual e nutrir uma esperança sobre o fim bom de tudo.

Desses novos desafios os educadores devem eles mesmos se imbuir e repassá-los aos educandos. Só assim estaremos à altura dos graves riscos que se nos apresentam.
Leia mais
O aquecimento global da fé
O resgate da planetização/globalização. Artigo de Leonardo Boff
Sustentabilidade e Educação. Artigo de Leonardo Boff
“Ecologia: Grito da Terra, Grito dos Pobres”. Uma resenha
Teologia da Libertação e a preocupação ecológica. Leonardo Boff e o chamado à Mãe Terra
A Carta Magna da ecologia integral: grito da Terra-grito dos pobres
‘Estamos destruindo as bases que sustentam nosso planeta, e isso não aparece nos jornais’
Uma ética para a Mãe Terra
O planeta no cheque especial: ser humano, o satã da Terra. Artigo de Leonardo Boff
Afinidades entre a encíclica sobre “o cuidado da Casa Comum” e a “Carta da Terra, nosso Lar"
As raízes da crise ecológica
Da Crise Ecológica ao pensamento complexo. Entrevista especial com Edgard de Assis Carvalho
Como cuidar de nossa Casa Comum
“Não só progresso. É preciso outra utopia.” Entrevista com Michel Serres

Nenhum comentário:

Postar um comentário