Pages

FAO alerta que a escassez de água e as secas recorrentes podem gerar migrações em diversos países

Estudos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) mostram que a escassez de água e as secas recorrentes podem gerar fluxos migratórios. O estresse hídrico e a redução da produção agrícola estão levando a movimentos populacionais em diversos países, já que as populações saem em busca de melhores condições de vida.

Do IHU, 21 de março, 2018

A reportagem foi publicada por Agência Brasil, 20-03-2018.

Um exemplo é a Somália, com 2,7 milhões de pessoas vivendo em situação de emergência, principalmente deslocados por conflito e comunidades de pequenos agricultores afetadas pela falta de chuvas, segundo informações da EFE.

Ao participar do painel Água e Migrações no 8º Fórum Mundial da Água, representantes de países como Espanha, Nigéria, Portugal e Marrocos relataram como a falta de água impacta nos movimentos migratórios em seus territórios. Na África do Norte, a busca pela água é um dos principais motivos para esse “fenômeno social”.

Os chamados “refugiados do clima” também estão presentes na Nigéria, país que tem sofrido com conflitos internos entre caçadores e agricultores, migração para áreas próximas a florestas e o recrutamento de jovens pelo grupo terrorista Boko Haram.

Para o diretor da Divisão de Terra e Água da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Eduardo Mansur, esses movimentos colocam em risco o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 2030, sendo um deles garantir a alimentação para população global, que nos próximos anos chegará a 9 bilhões de pessoas. Ele destacou que os “recursos naturais estão sendo esgotados” e têm sido fruto de uma “competição crescente”, em especial na questão da água.
Brasil

No Brasil, a água também é responsável por migrações. O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, lembrou a histórica migração de brasileiros de regiões mais secas, especialmente do Nordeste, para conseguirem melhor acesso à água em outras áreas do país.

“Culturalmente vivemos as migrações entre regiões a partir da seca, da escassez hídrica, em algumas regiões do país. Apesar de sermos um país que detém 11% da água doce do planeta, essa divisão não permite democratização da água e faz com que tenhamos necessidade de conviver com migração de brasileiros”, afirmou.

Como uma das estratégias para conter esse movimento, o ministro citou o Projeto de Transposição do Rio São Francisco, como “a mais importante da história do nosso país” que, segundo ele, vai permitir o acesso à água a populações de vários estados nordestinos.
Paz Azul

Mais cedo, houve o painel temático Paz Azul: Das Recomendações à Ação, em que foi apresentado o relatório Uma Questão de Sobrevivência, pelo presidente do Painel Mundial de Alto Ni vel sobre a Água e a Paz, Danilo Türk. O relatório traz recomendações para a prevenção de conflitos relacionados à água.

Danilo Türk, ex-presidente da Eslovênia, defendeu a necessidade de haver “vontade política” para o compartilhamento de recursos hídricos. Ao responder a perguntas dos participantes do fórum, ele mencionou o período em que enfrentou uma série de inundações no país europeu, para o qual foram exigidas novas soluções para enfrentar as mudanças políticas. “Por isso precisamos de pressão da sociedade civil. Por favor, façam pressão”, pediu.

Leia mais
Unesco destaca que 90% da população depende de recursos hídricos transfronteiriços
Escassez de água em várias partes do mundo ameaça a segurança alimentar e os meios de subsistência
Crises hídricas globais podem criar 'refugiados da água', diz ativista
UNESCO adverte para risco de aumento dos refugiados ambientais devido às mudanças climáticas e à desertificação
A exploração da água é apontada como uma das causas da crise hídrica no mundo
Usos da água e desigualdade na oferta precisam ser discutidos, diz especialista
Fórum Alternativo Mundial da Água debaterá a água como um bem natural, que não pode ser mercantilizada
Países ignoram ONU e não reconhecem água como direito humano
Maior estiagem não é sinônimo de mais crise hídrica, afirmam especialistas
Para especialista da UFSC, privatização da água ganha espaço na agenda nacional
Mulheres são as principais responsáveis por levar água para as famílias, mas ainda têm pouco espaço na gestão dos recursos hídricos no país
Privatização da água ameaça meio ambiente e saúde humana
‘Brasil precisa estar atento e preparado para compartilhamento de água’, diz senador
Fama 2018: a resistência de populações em busca do direito humano à água
Com novas unidades, 25% das áreas marinhas ficarão protegidas, diz Sarney Filho
Recuperação de mananciais passa por soluções para a falta de moradias nos centros urbanos
Pegada hídrica: marca do consumo de água do brasileiro é de 154 litros por dia
Água de reúso pode ser solução para crises hídricas provocadas pela falta de chuvas

Nenhum comentário:

Postar um comentário