Pages

STF decide se anistia do novo Código Florestal a quem desmatou é válida

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve concluir nesta quarta-feira um julgamento que tem dividido os membros da corte e terá repercussões para os agricultores e as regras de proteção ambiental no Brasil.

Os ministros terminarão de analisar as quatro ações que questionam a constitucionalidade da Lei 12.651, também conhecida como o novo Código Florestal, sancionada em 2012 pela então presidente Dilma Rousseff.

Do IHU, 28 de fevereiro, 2018.
Entre os pontos questionados está o perdão a multas e sanções a agricultores que desmataram ilegalmente até 2008, um dos dispositivos mais polêmicos do novo código.

A reportagem é de João Fellet, publicada por BBC Brasil, 28-02-2018.

Dez dos onze ministros já votaram, e por enquanto há empate em relação a vários pontos, incluindo a anistia.

O desempate caberá ao ministro Celso de Mello, membro mais antigo da corte e último a votar.
Preservação em áreas privadas

A legislação brasileira determina que todo agricultor deve manter parte de sua propriedade preservada. No bioma amazônico, o índice de proteção exigido é de 80%, no Cerrado, 35%, e nos demais biomas, 20%. Essa porção do território é conhecida como Reserva Legal.

Também devem ser preservadas todas as áreas ecologicamente sensíveis das propriedades, como nascentes e matas à beira de rios. Esses trechos são chamados de Áreas de Preservação Permanente (APP), considerados essenciais para a proteção de recursos hídricos e para a manutenção da biodiversidade.

O novo Código Florestal criou um banco de dados para controlar o cumprimento dessas regras: o Cadastro Ambiental Rural (CAR), hoje com 4,7 milhões de imóveis rurais registrados e informações detalhadas sobre a ocupação do solo em cada propriedade.

Segundo a nova regra, proprietários que até 2008 desmataram áreas que deveriam ter sido preservadas ficariam livres de multas e outras sanções, desde que se registrassem no CAR e se comprometessem a se adequar à legislação.

Se o STF julgar que essa anistia é inconstitucional, o governo federal poderá multar os proprietários rurais pelas infrações cometidas antes de 2008.
O que pensam agronegócio e ambientalistas

Entidades ligadas ao agronegócio criticam a possível anulação do perdão.

Para Rodrigo Lima, diretor geral da consultoria Agroicone, a mudança da regra "criaria um cenário de insegurança muito grande" para os agricultores.

Ele afirma que a anistia é justa porque, até a aprovação do novo código, as regras sobre o desmatamento em propriedades privadas passaram por muitas mudanças, o que dificultava seu cumprimento.

Segundo Lima, se a anistia for revogada, "teremos uma situação paradoxal, na qual quem fez o CAR pode ter criado provas contra ele mesmo".

Já organizações ambientalistas defendem a revisão da anistia. Para a bióloga Nurit Bensusan, do Instituto Socioambiental (ISA), o perdão "premia os proprietários que infingiram a lei".

"Aquele que seguiu as regras, fez tudo direitinho, vai se sentir um trouxa completo (se a anistia for mantida)", afirma.

Ela diz ainda que a manutenção da regra estimularia novos desmatamentos ilegais, pois criaria a expectativa de outros perdões no futuro.

"Quem respeitará esse código se amanhã outra anistia puder ocorrer?", questiona a bióloga.
Regras de compensação

Outro ponto polêmico cuja votação no STF está empatada trata da compensação de áreas de Reserva Legal desmatadas além dos percentuais mínimos por meio de pagamentos para a preservação da vegetação excedente em outras propriedades.

Antes do novo código, a legislação definia que compensação deveria ocorrer na mesma microbacia hidrográfica da propriedade que havia desmatado além da conta. Após o novo código, passou-se a aceitar que a compensação ocorresse no mesmo bioma.

Para Nurit Bensusan, do ISA, a possibilidade de compensação no mesmo bioma "pode gerar bacias completamente desmatadas".

Ela defende o retorno à regra anterior.

Já Rodrigo Lima, da Agroicone, afirma que a limitação ao mesmo bioma não necessariamente fará com que os produtores recorram a áreas distantes para a compensação. Ele diz que os governos estaduais poderão definir que a compensação ocorra no próprio Estado, pois teriam interesse em impedir a saída dos recursos movimentados por esse mercado.
Outros temas pendentes

Alguns outros pontos analisados pelo STF cuja votação está empatada são:

- A possibilidade de redução da Reserva Legal - de 80% para 50% - em municípios na Amazônia que tenham mais da metade de seu território ocupado por Terras Indígenas e/ou Unidades de Conservação, ou nos Estados com mais de 65% do território ocupado por Terras Indígenas e/ou Unidades de Conservação que tenham planos de Zoneamento Ecológico-Econômico (instrumento que busca conciliar desenvolvimento econômico e conservação ambiental);

- A permissão para realizar atividades agropecuárias em APPs nos topos dos morros;

- A possibilidade de novas autorizações para o corte de vegetação a quem desmatou ilegalmente;

Decisões já tomadas

Em decisões festejadas por ambientalistas, a maioria dos juízes do STF já decidiu no julgamento que:

- Não se pode desmatar APPs para implantar depósitos de lixo ou instalações esportivas;

- Todas as nascentes e olhos d'água, sejam intermitentes ou perenes, devem ter APPspreservadas;

- APPs só podem ser desmatadas por "interesse social" ou "utilidade pública" quando não houver alternativas.

Outras decisões tomadas no julgamento agradaram o agronegócio, entre as quais a manutenção dos seguintes pontos do novo código:

- As APPs em beira de rios devem ser medidas conforme sua variação média anual, e não conforme o nível medido na cheia;

- Pequenas propriedades podem seguir critérios menos rigorosos para recuperar APPsna beira de rios;

- Pequenos imóveis rurais podem plantar em regiões de várzea;

- Propriedades que desmataram além dos percentuais mínimos atuais ficam dispensadas de recompor as áreas caso tenham seguido as regras vigentes no momento em que desmataram;

- Propriedades podem contabilizar APPs no percentual de Reserva Legal;

- Possibilidade de empregar espécies exóticas em até 50% da Reserva Legal desmatada.

Leia mais

Justiça Federal declara inconstitucionalidade de artigo do novo Código Florestal
Especialista diz que novo Código Florestal retrocedeu na proteção de nascentes
O STF deve entrar em questões técnicas ao julgar novo Código Florestal; não há outro caminho. Entrevista especial com Virginia Totti Guimarães
STF inicia julgamento de 5 ações sobre o novo Código Florestal (Lei 12.651/2012)
Código Florestal anistiou 41 milhões de hectares. Entrevista especial com Luis Fernando Pinto
Mudança do Código Florestal ‘anistiou’ 41 milhões de hectares
Cadastro Ambiental Rural - CAR é insuficiente para coibir o desmatamento e estimular a regularização
Por que dados ambientais como o Cadastro Ambiental Rural devem ser públicos
Desmistificando o Cadastro Ambiental Rural (CAR)
Por que dados ambientais como o Cadastro Ambiental Rural devem ser públicos
Julgamento do Código Florestal no STF: os riscos para o Cerrado e o abastecimento de água
Justiça do MT decide: perdão do Código Florestal é inconstitucional
Reserva legal pode ser usada como pastagem de animais caso projeto na Câmara seja aprovado
Análise indica que grandes propriedades respondem por 59% da desobediência ao Código Florestal
Em audiência pública no STF, especialista diz que a Ciência foi ignorada no novo Código Florestal
Estudo do ISA revela que nova Lei Florestal trouxe retrocesso ambiental em três municípios do Xingu

Nenhum comentário:

Postar um comentário