Pages



Do GGN, 27 de Fevereiro, 2018
por Carlos Eduardo Martins


Jornal GGN - O economista Theotônio dos Santos morreu hoje, no Rio de Janeiro. A notícia foi dada por sua filha em redes sociais. Theotônio era mestre em Ciência Política pela UnB, doutor em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais, professor emérito da Universidade Federal Fluminense, e coordenador da Cátedra e Rede da Unesco e da UNU (Universidade das Nações Unidas) sobre economia global e desenvolvimento sustentável.

Thethônio foi autor de 38 livros, co-autor ou colaborador em outros 78, além de 150 artigos publicados em revistas científicas. Seus trabalhos foram publicados em 16 línguas.

Algumas palavras que trazem a vida e o pensar de Theotônio.

Sobre Theotônio dos Santos (1936-2018)

Prezados acabo de saber da morte de Theotonio dos Santos. Theotonio, que foi meu professor na graduação da PUC nos anos 1980, e com quem trabalhei 20 anos, entre 1991-2011, deixa um legado importante para as ciências sociais e para a esquerda brasileira.

Sua obra é referência indispensável para se compreender as grandes tendências e contradições do capitalismo contemporâneo, sua crise civilizatória, assim como as mazelas do capitalismo dependente, que transforma este Brasil, com tanta potencialidade e vocação democrática, num país tão persistentemente desigual e injusto, cuja vida é violada pela reemergência estrutural de tendências fascistas que se entrelaçam com as liberais. Lamentavelmente, a tragédia política brasileira que estamos vivenciando e o parentesis democrático que foi a Nova República, só ressaltam a agudeza crítica e a pertinência de sua obra.

Junto com Ruy Mauro Marini e Vânia Bambirra, Theotonio foi fundador e grande expoente da Teoria Marxista da Dependencia e, dos três, o que mais conseguiu ultrapassar o bloqueio que sofreram do pensamento institucionalista - desenvolvimentista ou neoliberal - no Brasil.

Theotonio foi quem mais internacionalizou a teoria marxista da dependência, concebendo-a como uma primeira etapa da construção de uma teoria marxista do sistema mundo, dialogando com Immanuel Wallerstein, Giovanni Arrighi, Samir Amin, Andre Gunder Frank, Beverly Silver e tantos outros que trouxe ao Brasil.

Theotonio, Vania e Ruy não tiveram tempo para viver o que mais queriam: a época em que a teoria da dependência fosse peça de museu. Mas se Theotonio se vai fisicamente deste mundo, o sonho de um socialismo democrático e a continuidade de sua obra permanecem como desafio aberto para as novas gerações e para os muitos que diretamente ou indiretamente influenciou.

de Nacho Lemus, da TeleSur

Con la inversión social congelada, con reforma laboral, con Rio de Janeiro así y el lucro de los 4 mayores bancos brasileños creciendo y creciendo, se nos fue Theotonio dos Santos. Ojalá que su teoría de la dependencia no explique por mucho más tiempo los males que rondan por estas tierras.

Tags

Nenhum comentário:

Postar um comentário