Pages

Universidade Popular fortalece a formação estudantil em Minas

Levante Popular da Juventude realizou evento de seis dias em Ibirité

UP contou com presença de 70 jovens de todo o estado / Levante Popular da Juventude

Do Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG),31 de Janeiro de 2018
Por Matheus Barcelos e Samuel Abade



Entre os dias 22 e 27 de janeiro, o movimento Levante Popular da Juventude realizou a primeira edição da Universidade Popular (UP) em Minas Gerais. O evento, que aconteceu em Ibirité, visa à formação de jovens estudantes, traçando uma relação crítica entre teoria, realidade universitária e pratica profissional.

Objetivos

Durante 10 anos, o Levante Popular da Juventude participou do projeto de Estágio Interdisciplinar de Vivencia (EIV), realizado em áreas de reforma agrária, agricultura familiar e outros. Em 2013, o movimento concluiu que seria necessário um curso permanente e que pensasse também a organização estudantil.

“Tentamos colocar o projeto em pratica há vários anos, mas, pela agenda, sufocante só foi possível neste ano. Esperamos contribuir principalmente com o fortalecimento do movimento estudantil em cada universidade onde o Levante está inserido, seja ela pública ou privada, crescendo nossa atuação nas regiões”, afirma Lizian Martins, do Levante Popular da Juventude.

Com a participação de aproximadamente 70 jovens de várias cidades de Minas Gerais, o curso discutiu 7 eixos: educação, saúde, direito, comunicação, cidades, questão agrária e questão energética.

Ana Carolina Vasconcelos, do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), estava no eixo da educação. Ela ressaltou os diversos debates que não estão presentes nas aulas na universidade e que são muito importantes para compreender a conformação social do povo brasileiro. “A quem se está formando hoje? Esses futuros profissionais irão atender às necessidades do povo?”, questiona.

Julia Bonifácio, estudante de direito da UFMG, participou do eixo do direito. “Foi uma experiência muito rica, compartilhada por assessores que constroem movimentos sociais para além dos muros da universidade, tendo oportunidade de conhecer vias teóricas não conhecidas, desde pautas progressistas até atuações dos profissionais na área dos direitos humanos”, explica.

Aprendendo com o Levante

Para a realização do evento, o Levante contou com o apoio de organizações sindicais, movimentos populares e da Fundação Helena Antipoff, que abrigou as atividades. “A sociedade é conservadora e tem uma visão pejorativa em relação ao jovem, mas o Levante desmistifica esse tipo de visão de que o jovem não gosta de política. Aprendemos muito com a juventude do Levante”, comenta Wanderson de Souza, Diretor de Educação Básica da Fundação.

A entidade, que trabalha com ensino, pesquisa e extensão, atende a 2600 alunos. Aos sábados e domingos, o espaço é aberto à comunidade. Assim, quem passou pelo local pôde conhecer um pouco o projeto. “Não se deve ter uma política que passa pelo jovem, tem que convidar os jovens para fazer política e, nisso, o Levante é um exemplo”, afirma Maria de Lourdes, moradora do bairro Lago Azul, em Ibirité.

Edição: Wallace Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário