Pages

Não apenas commodities: o mundo precisa de uma apreciação mais ampla das contribuições da natureza para as pessoas

Do IHU, 23 Janeiro 2018
O texto é elaborado por Intergovernmental Platform on Biodiversity and Ecosystem Services e publicado por Ecodebate. A tradução e edição são de Henrique Cortez.



Alimentos abundantes, água limpa e ar saudável estão entre os benefícios mais valiosos e visíveis da natureza para as pessoas. Isso reforçou a crença generalizada e cada vez mais controversa de que a natureza é principalmente uma fonte de serviços ou commodities.

Escrevendo no prestigiado jornal Science, trinta especialistas globais associados à Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços de Ecossistemas (IPBES) e liderados pela Professora Sandra Diaz e pelo Professor Unai Pascual, apresentaram uma nova abordagem inovadora: a ideia de usar todas as contribuições da natureza para as pessoas para informar políticas e decisões.

"Por mais de uma década, as políticas sobre a natureza foram dominadas pelo conhecimento das ciências naturais e da economia", disse Sandra Diaz. "A pesquisa vibrante desenvolvida a partir dessa abordagem de serviços ecossistêmicos" – popularizada pela histórica Avaliação do Ecossistema do Milênio de 2005 – "tem sustentabilidade avançada, mas evidências e ferramentas amplamente excluídas das ciências sociais, humanidades e outras visões de mundo-chave. A noção muito mais amena das contribuições da natureza para as pessoas enfatiza que a cultura é central para todos os laços entre as pessoas e a natureza e reconhece outros sistemas de conhecimento, como, por exemplo, as comunidades locais e os povos indígenas, muito mais do que antes".

Robert Watson, presidente da IPBES e ex-copresidente da Avaliação dos Ecossistemas do Milênio, disse: "As contribuições da natureza para as pessoas são de importância crítica para os ricos e os pobres em países desenvolvidos e em desenvolvimento. A natureza sustenta o bem-estar e as ambições de cada pessoa – da saúde e felicidade para prosperidade e segurança. As pessoas precisam entender melhor o valor total da natureza para garantir sua proteção e uso sustentável".

"Este novo quadro inclusivo demonstra que, embora a natureza ofereça uma recompensa de bens e serviços essenciais, como alimentos, proteção contra inundações e muito mais, possui um rico significado social, cultural, espiritual e religioso – o que também precisa ser avaliado na elaboração de políticas".

"A comida é um ótimo exemplo", disse Unai Pascual, "Todos recebemos alimentos da natureza e a segurança alimentar é um aspecto fundamental que geralmente foi incluído em políticas e decisões em todo o mundo, muitas vezes medido no contexto de calorias por dia, biológico os processos e o valor econômico, por exemplo. Mas sabemos que a comida é muito mais. Está no centro das identidades culturais, da arte e do prazer humano básico. São esses tipos de contribuições não-materiais da natureza que a nova abordagem busca representar e incluem decisões sobre a maneira como nos relacionamos com a natureza".

Uma das muitas aplicações concretas desta nova abordagem é a sua utilização em avaliações de peritos em larga escala e como estas são conduzidas. Os professores Diaz e Pascual concordam que as contribuições da natureza para as pessoas são um avanço científico que abarca, mas vai além da abordagem dos serviços ecossistêmicos, o que aumentará a eficácia e a legitimidade das políticas e decisões sobre a natureza. "Esta inclusão e equidade entre os sistemas de conhecimento e as perspectivas não só tornarão os processos de avaliação mais legítimos, mas também levará a melhores resultados de políticas, porque desenharemos a partir de uma base de informação muito mais ampla e ampla".

Quatro avaliações regionais da IPBES (descritas em aqui) da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos, que deverão ser divulgadas em março deste ano, foram incluídos esforços sem precedentes para aproveitar o conhecimento indígena e local e as contribuições da natureza para as pessoas são já é uma característica central da avaliação global do IPBES, prevista para 2019.

"As contribuições da natureza para as pessoas são uma importante evolução e complemento do conceito de serviços ecossistêmicos", disse Anne Larigauderie, Secretária Executiva do IPBESe um dos autores do artigo. "Isso pode melhorar a forma como enquadramos e compreendemos a diversidade e as relações complexas entre as pessoas e a natureza. Essa abordagem mais inclusiva também aumentará a relevância e o valor da evidência pericial sobre a natureza na abordagem de compromissos de desenvolvimento internacional, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável".

Referência:

Assessing nature’s contributions to people. Sandra Díaz, Unai Pascual, Marie Stenseke, Berta Martín-López, Robert T. Watson, Zsolt Molnár, Rosemary Hill, Kai M. A. Chan, Ivar A. Baste, Kate A. Brauman, Stephen Polasky, Andrew Church, Mark Lonsdale, Anne Larigauderie, Paul W. Leadley, Alexander P. E. van Oudenhoven, Felice van der Plaat, Matthias Schröter, Sandra Lavorel, Yildiz Aumeeruddy-Thomas, Elena Bukvareva, Kirsten Davies, Sebsebe Demissew, Gunay Erpul, Pierre Failler, Carlos A. Guerra, Chad L. Hewitt, Hans Keune, Sarah Lindley, Yoshihisa Shirayama. Science 19 Jan 2018: Vol. 359, Issue 6373, pp. 270-272. DOI: 10.1126/science.aap8826.

Nenhum comentário:

Postar um comentário