Pages

Boitempo publica uma enxurrada de 51 novos e-books!

A partir de agora, praticamente todos os livros que publicamos desde 2012 estão disponíveis em formato digital

Acabaram de entrar no ar novos 51 e-books da Boitempo! Agora, praticamente todo o catálogo da Boitempo, desde 2012 para cá, está disponível em formato digital. Junto com outros clássicos da editora, temos agora um acervo de 266 e-books à venda!
Onde encontrar?
Amazon
GooglePlay
Saraiva
Livraria Cultura
Kobo
Apple

Tem novidades de Karl Marx, David Harvey, Judith Butler, István Mészáros, China Miéville, Slavoj Žižek, Mary Wollstonecraft, Anita Prestes, entre outros. Confira, abaixo a lista completa com os novos e-books que acabaram de ser disponibilizados esta semana:


Novos e-books novos à venda a partir de janeiro de 2018

17 contradições e o fim do capitalismo, de David Harvey
A cidade das letras, de Ángel Rama
A crise da ideologia keynesiana, de Lauro Campos
A difícil democracia, de Boaventura de Sousa Santos
A legalização da classe operária, de Bernard Edelman
A luta de classes, de Domenico Losurdo
A nova razão do mundo, de Christian Laval e Pierre Dardot
A rebeldia do precariado, de Ruy Braga
A revolução das mulheres, de Graziela Schneider (org.)
A Revolução de Outubro, de Leon Trótski
A teoria da alienação em Marx, de István Mészáros
Anti-Dühring, de Friedrich Engels
As contradições do lulismo, de André Singer e Isabel Loureiro (orgs.)
Caio Prado Júnior: uma biografia política, de Luiz Bernardo Pericás
Caminhos divergentes, de Judith Butler
Cidades sitiadas, de Stephen Graham
Cinco mil dias, de Gilberto Maringoni e Juliano Medeiros (orgs.)
Comum, de Christian Laval e Pierre Dardot
Curso livre Marx-Engels, de José Paulo Netto (org.)
Deslocamentos do feminino, de Maria Rita Kehl
Dicionário gramsciano, de Guido Liguore e Pasquale Voza
Ensaios sobre Brecht, de Walter Benjamin
Equador, de Rafael Correa
Escritos de outubro, de Bruno Gomide (org.)
Fluxos em cadeia, de Rafael Godoi
Gênero e trabalho no Brasil e na França, de Alice Rangel de Paiva Abreu, Helena Hirata e Maria Rosa Lombardi (orgs.)
Guerra dos lugares, de Raquel Rolnik
Guerra e revolução, de Domenico Losurdo
Manifesto Comunista e Teses de abril, com introduções de Tariq Ali
Marx e Engels como historiadores da literatura, de György Lukács
Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade, de Fabio Mascaro Querido
Miséria da filosofia, de Karl Marx
Nós que amávamos tanto O capital, de Roberto Schwarz, José Arthur Giannotti, Emir Sader e João Quartim de Moraes
O absoluto frágil, de Slavoj Žižek
O ardil da flexibilidade, de Sadi Dal Rosso
O capital, Livro III, de Karl Marx
O Estado e a revolução, de Vladímir Lênin
O sujeito incômodo, de Slavoj Žižek
O uso dos corpos, de Giorgio Agamben
Olga Benario Prestes, de Anita Leocadia Prestes
Os despossuídos, de Karl Marx
Outubro, de China Miéville
Reboquismo e dialética, de György Lukács
Reconstruindo Lênin, de Tamás Krauss
Reivindicação dos direitos da mulher, de Mary Wollstonecraft
Revolta e melancolia, de Michael Löwy
Ruy Guerra: paixão escancarada, de Vavy Pacheco Borges
Sartre: direito e política, de Silvio Almeida
Televisão, de Raymond Williams
Teoria geral do direito e marxismo, de Evguiéni Pachukanis
Universalismo e diversidade, de Renato Ortiz

O legado de Capitu

Em 2017, a Boitempo publicou, em parceria com a e-galáxia, seu primeiro livro escrito especialmente para o formato e-book: O legado de Capitu, de Flávio Aguiar!


Um boêmio professor universitário já aposentado vive uma pacata rotina em Berlim, às voltas com suas pesquisas em literatura brasileira. Numa madrugada qualquer, porém, um telefonema misterioso irá virar sua vida de pernas para o ar: do outro lado da linha (e do oceano), um agente da Agência Brasileira de Inteligência, a ABIN, precisa desvendar um rocambolesco mistério, envolvendo um senador da República brasileira e seu arquinimigo político, um deputado federal, com um crime não desvendado do passado, maçonaria e um jornalista sequestrado. E só um especialista em Machado de Assis pode ajudá-lo.

Em seu primeiro romance policial, o poeta e crítico literário Flávio Aguiar nos oferece uma trama complexa, ambientada entre Berlim, São Paulo e Porto Alegre e apimentada por escândalos políticos, suspense, digressões sobre alta literatura e uma inesperada grande paixão. Com personagens cativantes – ora cômicos, ora desprezíveis, ora adoráveis –, o mistério vai aos poucos se revelando ao leitor, quase como num convite para revisitarmos o pensamento dessa mulher em milhares que sempre será Capitu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário