Pages

Projeto que altera Lei de Agrotóxicos e muda o processo de registro recebe críticas

Do IHU, 29 de setembro, 2017

Texto muda o processo de registro, onde Ibama, Anvisa e estados perdem poder e a autorização fica a cargo de um novo órgão federal.

A reportagem é de Antonio Vital e editada por Roberto Seabra, publicada por EcoDebate, 28-09-2017.

Durante a audiência realizada nesta terça-feira (26) pela Comissão de Seguridade Social e Família para debater o uso de agrotóxicos, debatedores criticaram, principalmente, o Projeto de Lei 3200/15, que tramita em uma comissão especial da Câmara. O texto altera a Lei dos Agrotóxicos (7802/89) e simplifica o registro e autorização deles, além de mudar o nome desses produtos para Defensivos Fitossanitários.

Hoje, para ter seu uso autorizado, o agrotóxico tem que ser registrado pelo Ministério da Agricultura, depois de passar por análises da Anvisa e do Ibama, encarregados de verificar as consequências para a saúde humana e para o meio ambiente. E depois disso a comercialização e uso ficam a cargo dos estados, que podem até proibir produtos já registrados. O projeto muda o processo de registro: o Ibama, a Anvisa e os estados perdem poder e a autorização fica a cargo de um novo órgão federal.

O procurador do Trabalho Pedro Luiz Serafim, alertou que a medida é ilegal. “Se a Anvisa for retirada do processo, isso será inconstitucional. Da mesma forma a prerrogativa do Ministério da Agricultura, que é definida na Constituição”, disse. “Hoje, a Anvisa e o Ibama podem vetar o registro e agrotóxicos não podem ser registrados se causarem mutações. Isso acaba com o projeto em tramitação”, disse Fenner, da Fiocruz.

O projeto também autoriza uso de agrotóxicos quando o risco for aceitável, o que não acontece hoje. A lei em vigor proíbe produtos que possam causar câncer e mutações ou que provoquem distúrbios hormonais e danos ao meio ambiente.
Ilegalidade

Os argumentos dos defensores do projeto que agiliza o registro e autorização para o uso de agrotóxico são de que a legislação atual dificulta o registro de produtos e que a burocracia acaba levando o produtor para a ilegalidade, já que várias culturas simplesmente não têm pesticidas feitos especialmente para elas. Eles também argumentam que não há comprovação de uso abusivo de agrotóxicos no país.

Íntegra da proposta:
PL-3200/2015

Leia mais
Suicídios aumentam e casos no Sul podem estar ligados a agrotóxicos
Debate sobre redução de agrotóxicos incomoda ruralistas
Estudo da Ensp/Fiocruz relaciona malformações congênitas ao uso de agrotóxicos
O massacre das abelhas pelo agrotóxico. Nos últimos anos, mais de um bilhão de abelhas foram mortas no Brasil. Entrevista especial com Lionel Segui Gonçalves
Pesquisador explica por que agrotóxicos são principais culpados por desaparecimento de abelhas
Agrotóxicos impactam o sangue e afetam doadores, diz dissertação na USP
MP que libera agrotóxicos “vai piorar o que já é ruim”, diz pesquisadora da Fiocruz
Estudantes de agronomia da UFG pedem “menos amor e mais agrotóxico”
Uso indiscriminado de agrotóxicos pode levar à extinção de abelhas
“Nosso Deus não é o deus do agrotóxico”, afirma dom Leonardo Steiner em encontro da Repam
Direito à informação sobre contaminação por agrotóxicos em alimentos é essencial
O Custo Humano dos Agrotóxicos: fotojornalista argentino retrata vítimas da contaminação
MP pode afrouxar regras para agrotóxicos
Não existe controle do Estado sobre a venda de agrotóxicos no Brasil
IBGE corta questões sobre agricultura familiar e agrotóxicos de censo rural
Entidades lançam #ChegaDeAgrotóxicos para pressionar a redução do uso de venenos
Relatores de direitos humanos da ONU querem o fim do uso de agrotóxicos na agricultura

Nenhum comentário:

Postar um comentário