Pages

Somos todos Espártaco

De Outras Palavras, 22 de Agosto, 2017
Por Nuno Ramos de Almeida


Espártaco, no filme de Stanley Kubrik. Um dos objetivos centrais dos neoliberais, no debate de ideias atual, é dizer que a globalização precisa ser defendida — pois seria atacada tanto pela esquerda, quanto pela esquerda, quanto da direita…

Um livro recente revela: globalização tornou a riqueza e o poder tão concentrados como nos tempos de Roma antiga. Mas há gente — inclusive entre a esquerda — empenhada em dizer que o problema são os “populismos”

No ano 73 antes do nascimento de Cristo, e 106 anos antes da sua crucificação, o gladiador Espártaco liderou uma revolta de escravos que fez tremer Roma. Quase um terço da população da bota italiana era constituída por escravos. A insurreição aguentou dois anos e foi afogada num banho de sangue pelas tropas dirigidas pelo cônsul romano Marco Licínio Crasso. Foram crucificados seis mil escravos para servirem de exemplo de que qualquer veleidade de liberdade seria esmagada com sangue.


No seu livro Global Inequality: A New Approach for the Age of Globalization, tal como na sua obra Ter ou Não Ter, o economista norte-americano de origem sérvia Branko Milanovic faz uma espécie de apanhado da riqueza comparativa de Crasso com os plutocratas de hoje, para que se perceba quais as suas reais capacidades e de onde lhe vinha o seu poder. Ao contrário do que defendia Adam Smith, a capacidade que o cônsul teve de esmagar a insurreição de Espártaco não se devia sobretudo à sua grande habilidade na guerra e na política, mas ao fato de ser riquíssimo e de essa riqueza lhe permitir colocar a política romana a seu soldo, como observou Max Weber. Crasso dominava a política e recebia de Júlio César, em troca do seu apoio, concessões, negócios e monopólios. Quanto mais dinheiro ganhava, mais desigual se tornava a sociedade romana, mais razões de revolta existiam entre os escravos e os mais pobres, mas maior capacidade de repressão tinha. Crasso pagou com o seu dinheiro os mercenários para derrotar Espártaco. Quadruplicou, com ele, as tropas que Roma lhe tinha entregado para o efeito.

Segundo Branko Milanovic, estima-se que a riqueza de Crasso lhe rendesse 12 milhões de sestércios por ano, o equivalente a um bilhão de dólares. Um romano médio necessitaria de trabalhar 32 mil anos seguidos e sem descanso para conseguir obter o rendimento anual de Crasso.

As desigualdades na altura, expressas na imensa riqueza do cônsul, político e general romano equivalem às das nossa época. Nos EUA, apenas quatro homens têm uma riqueza comparável à de Crasso. Bill Gates está à frente, com um rendimento duas vezes e meia maior que o seu antecessor de Roma.

O que os trabalhos de Branko Milanovic mostram é que, no mundo, o lugar mais desigual é o mundo. O processo de globalização tornou a desigualdade maior a nível global do que ela é em qualquer país. Entre 1988 e 2008, os 10% mais ricos da população mundial apropriaram-se de mais de 60% de todo o crescimento do rendimento mundial.

Os grandes vencedores deste processo de globalização não são uma mirífica “classe média global” ou uma fantasmática “classe criativa”, mas os 1% dos mais ricos do planeta, que controlavam 46% de toda a riqueza mundial em 2010.

Não há democracia possível numa economia em que haja tal desigualdade de poder. Tal como Crasso comprou tropas para esmagar a revolta dos escravos, a plutocracia global tem o poder de comprar mentes, gerar consensos e amplificar a sua ideologia nos seus meios de comunicação social, para garantir que “um homem, um voto” passe a “quem tem mais ações, ganha”.

A atual global governance não fez parte dos mecanismos para tentar minorar as desigualdades, mas foi parte do instrumento da guerra de classes para as tornar exponenciais. Como defende Wolfgang Streeck, “a tão promissora sociedade de serviços e conhecimentos revelou ser muito menor que a decadente sociedade industrializada”. Aumentaram a miséria e o número de excluídos. “A global governance em nada ajudou, como também não ajudou a suspensão da soberania nacional”, garante o sociólogo alemão. Este processo de globalização econômica transformou, aos olhos da ideologia dominante, a luta de classes em luta e divisão “cultural” nas sociedades democrático-capitalistas. Nelas reside um mal-estar crescente em relação à globalização, com o aumento do número de “derrotados da globalização”. Este processo atingiu o seu ponto de rutura a partir da crise de 2008, quando o número de pessoas afetadas tornou esta rutura visível. “Que este processo tenha demorado tanto tempo a realizar-se também se prende com o fato de aqueles que outrora falavam pelos prejudicados terem entrado, no final dos anos 90, para o clube de fãs da globalização. Quem sentiu a ‘globalização’ como um problema, e não como uma solução, viu-se antes de mais sem representantes”, observa o sociólogo. Observou-se uma fusão ideológica dos neoliberais com a dita esquerda cosmopolita. O poeta francês Baudelaire afirmava que “o truque mais inteligente do Diabo é convencer-nos de que não existe”. Atualmente, os mais ricos e a esquerda cosmopolita concorrem em coro para dizer que o neoliberalismo é uma invenção e que quem contesta a globalização capitalista é um racista e um xenófobo.

Na prática, o que estes autodenominados setores de “esquerda” fazem é tentar reforçar a legitimidade da globalização capitalista, demonizando qualquer veleidade de contestação. “O pensamento único do neoliberalismo fundiu-se com o “centro virtuoso” moral de uma comunidade discursiva internacionalista. A soberania serve hoje como base de operações numa luta cultural especial, na qual a moralização do capitalismo globalmente expandido se associa a uma desmoralização de interesses daqueles que são prejudicados pelo mesmo capitalismo”, faz notar Streeck.

Para falar claro, se vivessem no tempo do Império Romano e de Crasso, estes setores políticos condenariam a revolta dos escravos por ser tribalista e contra a “globalização positiva” de Roma.

Vivemos um momento de “interregno”, como de alguma forma viu Gramsci quando falou nesse particular momento. O crescimento das desigualdades e das incertezas faz com que as nossas sociedades vivam um momento de transição. Gramsci — o homem de quem Mussolini dizia “Temos de impedir essa cabeça de pensar durante 20 anos” — escreveu nos seus Cadernos do Cárcere a seguinte frase: “O velho mundo está morrendo. O novo tarda em aparecer. E neste lusco-fusco nascem os monstros.” O crescimento dos radicalismos de direita, no qual a eleição de Trump se enquadra, expressa este momento. Mas não se deve confundir o aparecimento dos monstros com a necessidade de manter a globalização capitalista e as desigualdades que os produzem.

No filme de Stanley Kubrick, aos escravos derrotados é-lhes dito para identificarem Espártaco, a fim de ser exemplarmente castigado, em troca de perdão. Um a um, os escravos levantam-se dizendo que são Espártaco. Mortos na cruz, não têm a frase de Jesus “que Deus lhes perdoe porque não sabem o que fazem”. A sua promessa é prometeica e tem outra inspiração: “Voltaremos e seremos milhões.”

Reza a história que Crasso não teve um fim feliz. A lenda diz que, derrotado pelos partos, acabou morto com ouro derretido enfiado pela boca abaixo, para assinalar a sua cobiça.




Nuno Ramos de Almeida é jornalista português, editor-executivo do Jornal I (www.ionline.pt).

Nenhum comentário:

Postar um comentário