Pages

"Será necessário aprender a conviver com o terrorismo"

Do IHU, 22 de agosto, 2017

Contrariamente ao que se poderia supor em um primeiro momento, devido à metodologia empregada - um carro atropelando a multidão em uma região central de uma cidade europeia -, o atentado de Barcelona não é produto de um lobo solitário, mas, ao contrário, de uma célula que remete aos atentados de Paris, do dia 13 de novembro de 2015, e ao do aeroporto de Bruxelas em março de 2016. O modo de operar dos terroristas é uma cópia do “sistema inicial empregado no dia 14 de julho de 2016, em Nice, pelo tunisiano Mohamed Lahouaiej Bouhlel e reiterado, depois, em Berlim, Londres e Estocolmo.


A reportagem é de Eduardo Febbro, publicada por Página/12, 20-08-2017. A tradução é do Cepat.

O chamado terrorista low cost, que se serve apenas de um veículo para provocar o maior número de vítimas possíveis em áreas de alta concentração turística, agora, golpeou a Espanha, mas sua arquitetura polifônica confirma o que vários especialistas vêm anunciando há vários anos: a Espanha é uma das retaguardas dos jihadistas do Estado Islâmico. Os caminhões ou carros assassinos de Nice, Londres, Berlim e Estocolmocorrespondiam a iniciativas de simpatizantes isolados que, sem ordens centrais, sozinhos, decidiam passar à ação e aplicar o lema global ditado pelo porta-voz e estrategista do Estado Islâmico, Abou Mohamed Al-Adnani, morto há um ano no Norte da Síria, durante o ataque de um drone norte-americano.

Em Barcelona, não. Como em Paris, em 2015, ou em Bruxelas, em 2016, tratou-se de uma célula adormecida, mas perfeitamente treinada e coordenada. Já em 2015, o historiador e especialista em movimentos jihadistas, Jean-Pierre Filliu, recordava o fato de que “os dois principais focos de propaganda, inclusive de recrutamento, são por um lado a Catalunha e, por outro, as cidades de Ceuta e Melilla” – ambas situadas em território marroquino.

Para este especialista, a Espanha sempre foi como uma espécie de “elo” dos atentados cometidos na Europa nos últimos anos. Dado importante: o francês Ayoub El-Khazzani, autor do fracassado atentado em um trem Thalys, ou Amedy Coulibaly, o terrorista que atacou o supermercado judeu do Leste de Paris, quase de forma simultânea ao atentado contra o semanário satírico Charlie Hebdo, passaram um tempo na Espanha. Em junho passado, a CIA evocou a possibilidade de que Barcelonapudesse ser alvo de um atentado. A maioria dos especialistas concordam em destacar que Barcelona não é apenas um “foco” do jihadismo espanhol, mas também uma espécie de base onde as redes jihadistas se reorganizam segundo o fluxo que vai e vem da Síria ou Iraque.

Com mais de 700 pessoas presas desde 2004 e outras tantas expulsas do país, os serviços de inteligência espanhóis eram, muitas vezes, citados como exemplo desde que, no dia 11 de março de 2004, um grupo ligado à Al-Qaeda perpetrou o atentado mais mortífero da história europeia (192 mortos). Desde aquele momento, a inteligência espanhola reorientou seu trabalho: o grupo ETA deixou de ser a prioridade em prol de um aplicado trabalho entre os meios jihadistas. Com apenas 150 combatentes espanhóis alistados nas filas dos Estado Islâmico na Síria e no Iraque (uns 30 morreram e outros 25 retornaram, contra 200 mortos franceses), a Espanha é um dos países europeus que apresenta uma das mais baixas adesões ao grupo sunita radical.

Segundo um relatório apresentado em dezembro de 2016 por Gilles de Kerchove, o coordenador europeu da luta contra o terrorismo, havia cerca de 2.500 combatentes europeus no seio do Estado Islâmico, dos quais entre “15 e 20” morreram nos combates na Síria e Iraque, entre 30 e 35% retornaram a seus países de origem e 50% continuam nas regiões controladas pelo Estado Islâmico”. Kerchove ressaltou o quebra-cabeça que os combatentes que retornavam ao Velho Continente representavam, pois, longe de romper seus laços com o califado, “permaneciam em contato com o Estado Islâmico através de contas particulares nas redes sociais”.

Assim como o que aconteceu com a Bélgica e seus grupos ativos que passaram sob todos os radares das polícias belgas e europeias e puderam ensanguentar a Europa, o problema espanhol, ou a peça frágil, parece se situar nos encraves de Ceuta e Melilla e nas altas porcentagens de marroquinos que lutam na Síria e Iraque junto ao Estado Islâmico(uns 1.500).

Se a explosão acidental em Alcanar, às vésperas do atentado em Las Ramblas, pareceu evitar um drama humano maior, isso prova, não obstante, o enraizamento e a preparação antecipada dos terroristas. Como a equipe que atentou, em novembro de 2015, contra o Estádio da França, os bares dos distritos 10 e 11 de Paris e o teatro Le Bataclan, não se trata, aqui, de um solitário desconhecido radicalizado por razões misteriosas, mas, ao contrário, de uma operação preparada de antemão e armada por uma célula de ao menos 12 pessoas, mais um Imã da localidade de Ripoll, Abdelbaki Es Satty, atualmente, foragido e considerado o cérebro do ataque terrorista. Também eram de Ripoll os irmãos Driss e Moussa Oukabirm Mohammed Hychami e Younes Abouyaaqoub (dele se suspeita que conduzia o veículo que circulou por Las Ramblas de Barcelona).

Três anos após o surgimento público do Estado Islâmico, através da faiscante ofensiva de junho de 2014 lançada nos territórios da Síria e Iraque, o grupo conserva um poder de propagação e de destruição intacto, apesar das partes de vitória regularmente publicadas pela coalizão internacional que o combate na Síria e no Iraque.

A intervenção norte-americana no Iraque, no ano de 2003, a queda do falecido presidente Saddam Hussein e a descabelada decisão de desmantelar a polícia iraquiana, o Exército iraquiano e o Partido Baas desembocaram, em 2006, no nascimento do Estado Islâmico, que ultrapassou a Al-Qaeda na Mesopotâmia. A segunda intervenção norte-americana no Iraque ativou a bomba relógio que há vários anos açoita o Ocidente. Wassim Nasr, jornalista do canal France24 e especialista em Estado Islâmico (autor do livro L’Etat islamique, le fait accompli), comenta que estes atos terroristas “são um meio de fragilizar os Estados democráticos, de influenciar as opiniões públicas e de realizar uma guerra desgastante” (Le Nouvel Observateur).

Segundo Nasr, este terrorismo corresponde à “ideologia do jihadista transnacional inventada pela Al-Qaeda e retomada pelo Estado Islâmico. É, hoje, a única ideologia revolucionária no mercado das ideologias. Sua força reside no fato de que é ao mesmo tempo contestatória e modulável a todas as formas de organizações sociais transnacionais e trans-étnicas”. As bombas que continuam caindo no Iraque e na Síriaou o trabalho dos serviços de inteligência não bastam para frear sua expansão. A este respeito, Wassim Nasr argumenta que, “hoje, os efeitos da crise econômica, o vazio ideológico ligado ao desencanto mundial e o êxito da propaganda do Estado Islâmicopermitiram uma exploração mais eficaz desta ideologia. O jihadismo é, de agora em diante, um fenômeno mundial e transnacional. Será necessário aprender a conviver com ele”.

Leia mais
O gesto extremo contra os pais “traidores”. Artigo de Donatella Di Cesare
Nós, prisioneiros da era do presente remoto. Artigo de Sarantis Thanopulos
''Eu, mulher, contra os infiéis do Islã radical.'' Entrevista com Ani Zonneveld
Terrorismo. “Há causas econômicas, sociais, psicológicas, mas também religiosas”
A dor de Barcelona, uma cidade multicultural e trabalhadora
Uma análise de profundidade após os atentados de sexta-feira 13 de novembro em Paris
A matança no jornal Charlie Hebdo e as contradições do Sistema Internacional diante da Revolução de Rojava
Charlie Hebdo e a moral dupla do Ocidente
Após atentados, França usa discurso do 'ataque à liberdade' para aumentar militarização, diz Judith Butler
Os atentados da sexta-feira 13 em Paris: a desinformação da mídia aberta reforça a hipocrisia do Sistema Internacional
"Se cedermos ao medo, a democracia morrerá." Entrevista com Zygmunt Bauman
O Papa receberá quatro imãs depois do atentado de Londres
Atentado reacende tensões religiosas em Nice
“O ódio entre religiões é ideia dos terroristas. Devemos isolá-los”. Entrevista com Shaykh Ibrahim Mogra
O fim do Estado Islâmico como território
Daech é um produto da nossa modernidade
Cristãos fogem à medida que “Estado Islâmico” amplia domínio no Iraque
"Al Qaeda é um rótulo e uma rede, uma teia flexível de franquias", explica analista francês

Nenhum comentário:

Postar um comentário