Pages

Estados Unidos, as origens do novo racismo

Do IHU, 15 Agosto 2017
Por Nadia Urbinati


“O novo racismo é também racismo de reação: dos brancos deserdados e não ricos contra os negros ainda mais deserdados e paupérrimos. Pobres contra pobres, mas em nome da raça, nunca da classe.”

A opinião é da cientista política italiana Nadia Urbinati, professora da Columbia University e ex-professora da Unicamp, em artigo publicado no jornal La Repubblica, 14-08-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Segundo ela, "Tocqueville tinha razão ao pensar que a escravidão deixaria, como uma chaga, um sinal indelével sobre o futuro da democracia norte-americana, mesmo quando os negros fossem libertados das correntes e declarados cidadãos".
Eis o texto.

Os coros globais contra os supremacistas brancos são justificados e legítimos. Mas têm vida curta se imediatamente não dão lugar a uma análise social que faça compreender a revolta de Charlottesville, Virgínia, onde um homem jogou o carro contra pessoas que se manifestavam pacificamente contra a ideologia da supremacia branca.

O racismo, especialmente no sul dos Estados Unidos, foi gerado pela questão social: desemprego, salários baixos, ausência de previdência e assistência – em suma, o trabalho operário regular, mal pago, explorado e, muitas vezes, ausente.

É uma história tão antiga os Estados Unidos industriais, a partir da reconstrução depois da Guerra Civil. Desenvolvimento industrial e libertação dos escravos andaram juntos. O movimento Knights of Labor, do fim do século XIX, esteve entre aqueles que deram origem ao People’s Party, apontado como exemplo de bom populismo. Mas o romance sentimental dos bons trabalhadores, muitas vezes, ocultou o fato de que o populismo também era dirigido contra imigrantes e negros.

Para os trabalhadores brancos, húngaros, italianos ou irlandeses, os negros ex-escravos, além disso, não eram tão bons, eram “ovelhas negras” que os industriários usavam para manter os salários baixos e romper as greves. Racismo e questão social estão na raiz de um Estados Unidos que as representações adocicadas de nós, europeus, ignoram.

Porém, são essas molas propulsoras que fizeram o bem e o mal da democracia do Novo Mundo. O mal do racismo, que explode em intervalos regulares e nunca foi debelado; o mal do confederalismo atrás do qual, ainda hoje, os brancos supremacistas dos Estados do sul marcham, encapuzados ou não, com as tochas dos buscadores de negros, como no Alabama, que acolhe os visitantes com a frase “We dared” (“Nós ousamos”).

Mas foram também as molas propulsoras do bem. As políticas de justiça distributiva iniciadas com o New Deal também foram pensadas com a intenção de produzir um resultado virtuoso: debelar o racismo. Exceto tendo usado mecanismos com resultados opostos.

Porque, como relata Ira Katznelson em seus estudos sobre o New Deal e o racismo, os democratas do sul prepararam políticas sociais e ocupacionais para fortalecer os trabalhadores brancos e excluir os negros; para dar poder aos burocratas hostis à emancipação dos negros; para impedir que a linguagem de antidiscriminação entrasse nos programas de bem-estar. As políticas sociais ligadas ao trabalho se voltaram a apoiar a mão de obra branca: desse modo, pensava-se que se tornaria brando o racismo.

Foi o alistamento dos negros junto com os brancos na Segunda Guerra Mundial que introduziu mudanças em sentido universalista e inclusivo. O G. I. Bill de 1944, pensado para ajudar os veteranos brancos a comprar casa e estudar, foi estendido também aos veteranos negros. A guerra pôs fim à justificação da segregação nas políticas sociais. O legado das lutas pelos direitos civis nos anos 1960 se materializou nas políticas de Jonhson, continuadas por Nixon. O racismo se vestiu com novas roupas, tornando-se reação contra os direitos civis. E, apesar da retórica patriótica dos presidentes mais recentes, o racismo ganhou novo vigor, especialmente em relação às políticas públicas. Aqui começa a história destes dias.

É um assunto candente e difícil de articular sem sermos acusados de racismo indireto. Mas deve ser abordado porque a ideologia white supremacist que armou o fanático de Charlottesville encontra força vital na ideia de que as políticas federais de redistribuição foram pilotadas por uma justiça ao contrário, de que, para facilitar a formação de uma classe média negra, foram adotadas escolhas que, com a crise econômica, mostram a sua limitação e que, desafiadoramente, agora, são os brancos que as exigem.

Desafiadoramente, mas não tanto. As minorias de meados dos anos 1970 se beneficiaram com essas políticas que permitiram a contratação nos escritórios públicos e privados e admissões aos colleges, graças a cláusulas pelas quais, em alguns casos, com paridade de mérito, eram auxiliados os candidatos pertencentes a minorias.

Essa política teve um impacto notável e mudou a face das instituições que se tornaram mais pluralistas. O resultado negativo dessas políticas sobre a mentalidade é um dos fatores que explicam o white supremacism. Ajudar aqueles que, injustamente, foram excluídos (por razões de escravidão ou de subordinação de gênero) com políticas que violam a imparcialidade tem os seus custos.

Uma sociedade injusta como a estadunidense no fim da Segunda Guerra dificilmente poderia ser melhorada com políticas baseadas na imparcialidade. Teria sido oportuno desembainhar outro tipo de coragem, adotar políticas sociais universalistas com intervenções estatais voltadas a requalificar as escolas públicas, para poder atacar a injustiça na origem, sem oferecer o flanco às previsíveis críticas dos brancos. Teria sido uma escolha de mais longo fôlego, mas social-democrata demais para ser aceita pela cultura política estadunidense, liberal ou não.

A affirmative action foi a política de justiça rotulada de liberal. Produziu inclusão (certamente irregular, mais ao norte do que ao sul), mas sedimentou, enquanto isso, ressentimento e raiva contra os “beneficiários” de privilégios por serem negros.

E, a partir desse ressentimento, deve-se partir, hoje, para compreender o caráter do novo racismo, que também é racismo de reação: dos brancos deserdados e não ricos contra os negros ainda mais deserdados e paupérrimos. Pobres contra pobres, mas em nome da raça, nunca da classe.

E um negro contratado contra milhares que mendigam é o suficiente para alimentar o fogo da raiva dos trabalhadores brancos traídos por Washington: eis a luta para manter em um parque público de Charlottesville a estátua do general Lee, o símbolo do Exército dos sulistas na Guerra Civil.

Tocqueville tinha razão ao pensar que a escravidão deixaria, como uma chaga, um sinal indelével sobre o futuro da democracia norte-americana, mesmo quando os negros fossem libertados das correntes e declarados cidadãos. Combater na guerra os ajudaria, mas, hoje, a Segunda Guerra é apenas uma recordação distante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário