Pages

Assassinatos de ativistas ambientais aumentaram em 2016

No relatório agora publicado, a ONG Global Witness denuncia o crescimento dos assassinatos contra quem defende a sua terra. A América Latina surge como a região onde mais ambientalistas são mortos, com o Brasil à cabeça.


Do Esquerda.net, 17 de Julho, 2017


Os dados revelados no relatório da Global Witness(link is external) apontam 200 assassinatos ocorridos no ano passado em 24 países. A ONG diz que esta é apenas a parte conhecida da repressão que os promotores de projetos ligados à exploração mineira, petrolífera, madeireira ou agrícola lançam contra os ativistas e as comunidades que resistem em defesa da sua terra.

O Brasil surge no topo da lista dos países mais perigosos para os ambientalistas em números absolutos, com 49 mortes registadas neste relatório referente ao ano passado. Segue-se a Colômbia (37), Filipinas (28), India (16), Honduras (14), Nicarágua (11) e República Democrática do Congo (10).

2016 foi o ano mais mortífero desde que existem registos e o número de países onde ocorreram assassinatos também aumentou bastante desde o ano anterior. Cerca de 40% das vítimas mortais pertencem a comunidades indígenas.

“A retórica sobre desenvolvimento sustentável continuará vazia de sentido enquanto aqueles que defendem a terra e o ambiente continuarem a arriscar as suas vidas ao fazê-lo”, acusa o relatório da Global Witness, que descreve a situação, país por país.

Entre as recomendações da ONG para assegurar a defesa dos ativistas ambientais está o combate à corrupção e à impunidade e a garantia do direito ao consentimento informado por parte das comunidades afetadas acerca do uso da sua terra e recursos naturais.

A proteção aos defensores do ambiente e a responsabilização na justiça dos que atacam ambientalistas são outras exigências da Global Witness aos estados e às empresas e investidores nos projetos em causa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário