Pages

Em Brasília, adolescentes Guarani Kaiowa do Conselho Aty Guasu denunciam violações contra a população indígena

Fotos: Imagem da Vida
Por Paula Bonfati, da assessoria de comunicação Imagem da Vida

Na última quinta-feira (22), uma delegação de 24 adolescentes e jovens Guarani Kaiowa foi recebida pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmem Lúcia, em Brasília. Acompanhavam a delegação lideranças do Conselho Aty Guasu, do Aty Guasu das Mulheres e do Aty Guasu de Jovens. A incidência nos órgãos federais, promovido pelos conselhos em parceria com a organização Imagem da Vida, que trabalha com educação em direitos humanos e valorização das diversidades, denunciou violações contra os povos indígenas no estado do Mato Grosso do Sul.



Do Cimi, 23 de junho, 2017

Fonte da notícia: Assessoria de Comunicação Imagem da Vida

Em conversa com a ministra a juventude Guarani Kaiowa demonstrou inquietação com propostas que tramitam no Congresso Federal, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215 e o Marco Temporal, uma das principais ameaças aos direitos constitucionais indígenas. A tese do Marco Temporal vem sendo utilizada como instrumento para anular a demarcação de Terras Indígenas no Poder Judiciário, especialmente a partir de decisões da Segunda Turma do STF.

Em resposta aos anseios dos jovens e adolescentes, Carmem Lúcia afirmou estar acompanhando a situação das demarcações e homologações das terras indígenas. “Vou tentar ajudar para que a esperança de vocês não morra. O Judiciário está cada vez mais atento a essa realidade”, afirmou a Ministra.

Jhonn Nara Gomes, 16 anos, recordou a presidente do STF que as solicitações que trazem são demandas históricas, que perpassam gerações. “A gente quer que o nosso direito seja respeitado. As lideranças que tinham esses sonhos já estão mortas, mas os jovens vão continuar levantando o que eles [líderes indígenas] plantaram”, diz o jovem da aldeia Guaiviri.



A delegação foi composta também por lideranças do Aty Gyasu Guarani Kaiowá, como Eliseu Lopes, Dionísio Gonçalves, Celso Alziro e Leila Rocha. Eles participaram, juntamente como s adolescentes e jovens, de audiências com o Ministério dos Direitos Humanos, os Embaixadores da União Europeia, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados e a ONU. O objetivo das incidências foi trazer às autoridades do poder público a situação em que se encontram as crianças e adolescentes Guarani Kaiowá.

Durante audiência da delegação Guarani Kaiowá com a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, na quarta-feira (21), Eliseu Lopes, membro do conselho Aty Guasu, questionou a atuação do estado brasileiro na efetivação das políticas indígenas. “No passado, pedíamos 10% do que era o nosso território. Agora, estamos querendo apenas 0,2% dessa área para nossa sobrevivência. Não queremos vender a mãe-terra", ressaltou. "É uma vergonha o Brasil ser conhecido no exterior como um país que mata seus índios. Nosso povo está sendo massacrado e abandonado pelo Estado brasileiro”, denunciou a liderança.

Para a deputada Maria do Rosário (PT-RS), integrante da Comissão, a execução dos retos da Constituição Federal de 1988 torna-se urgente em contexto de violência com as populações tradicionais. “As comunidades indígenas defendem o que está escrito na lei. Porque a Constituição Federal de 188 não vale para os povos indígenas? Não vale a vida de um indígena como a vida de alguém de qualquer outra etnia?", questionou. "Nós precisamos somar nossas vozes às vozes Guarani Kaiowá, que denunciam a violência e a negação de direitos aos povos indígenas no Brasil", declarou a deputada federal.

Entre os encaminhamentos resultantes da audiência com a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, destaca-se o acompanhamento das investigações do massacre de Caarapó (MS), que vitimou Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza, 23 anos, e deixou crianças e lideranças indígenas em estado grave; o subsídio, investimento e proteção aos defensores dos Direitos Humanos que atuam no Mato Grosso do Sul; e a solicitação de informações ao governo do estado do MS sobre a negligência e violência cometida contra os povos indígenas no serviço de saúde no estado.

MS

Guerreiros viram estrelas que nunca perdem o brilho e iluminam nossos caminhos.

Guerreiros não morrem, sempre estarão vivos na lembrança e na memória. Guerreiros viram estrelas que nunca perdem o brilho e iluminam nossos caminhos.



Meu glorioso Clodiodi: Um ano do Massacre de Caarapó, demarcação foi anulada e fazendeiros soltos

Um ano depois do massacre que resultou na morte de Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza, os Guarani e Kaiowá ainda lutam pela demarcação de Dourados-Amambaipeguá I



Clodiodi tombou, muitos se levantarão: ato em memória do Massacre de Caarapó ocorre amanhã

Ato relembra o Guarani Kaiowá Clodiodi Rodrigues de Souza, morto por fazendeiros e jagunços no Mato Grosso do Sul, e outras vítimas da violência do agronegócio



Aty Guasu divulga carta e volta a pedir à União Europeia a criação de "barreiras humanitárias"

Pedido está na carta final da Grande Assembleia do povo Guarani e Kaiowá, que ainda faz exigências ao governo federal e repudia o Fórum de Caciques criado pelos ruralistas no Mato Grosso do Sul



10ª Assembleia Terena ocorre em terra alvo do marco temporal e onde Oziel Gabriel foi assassinado

"O Marco Temporal serve para acabar com as demarcações e é cruel porque todo mundo sabe a razão do povo indígena não estar sobre a sua terra", afirma Alberto Terena

Nenhum comentário:

Postar um comentário