Pages

Aqui a terra treme

Numa região onde os saques das riquezas minerais se contam aos bilhões de dólares, e são transportadas por locomotivas quilométricas que embarcam nossas riquezas para outras terras, brasileiros pobres vivem como sem pátrias, à mercê da violência do estado, este sempre a serviço de todos os ricos, do campo e da cidade, escreve Jorge Neri, ativista do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST e do Movimento Pela Soberania Popular na Mineração – MAM em artigo publicado por MST, 19-06-2017.

Eis o artigo:

Do IHU, 21 de junho, 2017

No dia 19 de junho, na capital do estado do Pará, Belém, movimentos sociais, organizações políticas, sindicais e populares realizam um Ato pela Democracia e Contra a Violência no Campo, motivados pelo preocupante aumento de assassinatos contra camponeses e suas lideranças no estado. Cerca de 37 só este ano.

O ato acontece ao aproximar-se a data de aniversário (24) do último massacre contra camponeses pobres, desta vez acontecido no município de Pau D`arco , sul do Pará, onde, de acordo com primeiros dados da perícia, nove trabalhadores e uma trabalhadora rural foram barbaramente executados, por um “pelotão de fuzilamento” da Polícia Militar do Pará.

Na região de Carajás, tragédias semelhantes se anunciam. A disputa pela terra que estabelece de um lado trabalhadores rurais Sem Terra, Sem Teto, pequenos agricultores, e de outro, velhas oligarquias rurais latifundiárias, e modernas empresas minerarias, acoitadadas pelo estado brasileiro, criam o combustível para uma escalada sem precedentes de violência contra os pobres.

Sem trabalho, moradia ou terra, centenas de milhares de homens e mulheres ficam à mercê de um presente cruel e um futuro sem qualquer esperança.

O estado, que não garante força policial para desalojar grileiros de terras, como é o caso da Fazenda Fazendinha em Curionópolis, é o mesmo que ameaça cumprir mandato com força policial para despeja o Acampamento da Fetraf, na VS 10, onde mil famílias buscam construir um espaço de esperança sobre a terra. Todos em alerta

Mandatos de reintegração de posse, também se espalham por vários territórios onde acampamentos e comunidades rurais se estabelecem em áreas reivindicadas pela mineradora Vale.

Numa região onde os saques das riquezas minerais se contam aos bilhões de dólares, e são transportadas por locomotivas quilométricas que embarcam nossas riquezas para outras terras, brasileiros pobres vivem como sem pátrias, à mercê da violência do estado, este sempre a serviço de todos os ricos, do campo e da cidade.

O mar revolto de centenas de milhares de pobres se movimenta nas terras de Carajás.

Às margens da ferrovia, por onde passam os vagões de minério, a terra treme.

Às margens de todo e qualquer projeto de desenvolvimento desenhado pelas elites coloniais, regionais e nacionais, centenas de milhares de pobres se movimentam, e também podem fazer a terra tremer.

Diferente de Eldorado dos Carajás, Corumbiara e Pau D`arco, as valas abertas na terra, depois de cada tremor, não levarão só os pobres.

Leia mais
Massacre de Pau D’Arco: Liga dos Camponeses diz que fazenda fica em terra pública
Com 10 executados no PA, Brasil tem 25 mortos em chacinas no campo em 40 dias
Massacre em Pau D’Arco (PA): “Será que o cumprimento da Lei não conhece outro caminho fora da destruição do adversário?”, pergunta o bispo de Conceição do Araguaia
Pau d’Arco: testemunhas oculares do massacre reforçam tese de execuções
Triste país onde depredação é escândalo, mas massacre de dez posseiros, não
Chacina em Redenção (PA) deixa pelo menos dez posseiros mortos
Com 10 executados no PA, Brasil tem 25 mortos em chacinas no campo em 40 dias
CPT divulga o relatório ‘Conflitos no Campo Brasil 2016’
CNDH levanta hipótese de vingança de policiais em massacre de Pau D’Arco
Violações e conflitos no campo batem triste recorde, segundo relatório da CPT
Menos de 10% dos 1.700 assassinatos em conflitos de terra vão a julgamento

Nenhum comentário:

Postar um comentário